Roubini diz que 'carry trade' durará no mínimo mais 6 meses

Os mercados globais se recuperaram "muito, muito cedo, muito rápido" neste ano, mas uma correção não acontecerá de imediato, já que um dólar mais fraco ainda estimulará investidores a buscar ativos de maior rentabilidade por mais alguns meses, afirmou o economista Nouriel Roubini nesta quinta-feira.

REUTERS

17 de dezembro de 2009 | 22h42

Falando a investidores em Nova York, Roubini, da RGE Global Monitor, disse que o dólar norte-americano irá eventualmente recuperar parte de suas perdas, mas apenas em "seis a 12 meses a partir de agora, não tão cedo".

Como resultado, as operações de "carry trade", nas quais investidores tomam empréstimos a juros reduzidos no curto prazo --neste caso, no dólar norte-americano-- para comprar títulos de rendimentos maiores em outros mercados, continuarão a sustentar preços por mais algum tempo.

"Uma correção deve acontecer, mas o risco de uma correção é mais no médio do que no curto prazo", disse Roubini em um evento organizado pelo Conselho das Américas.

Enquanto isso, os países em desenvolvimento, como o Brasil, devem reforçar o controle de capital para reduzir a grande quantidade de investimentos estrangeiros, que têm impulsionado suas moedas, afirmou.

(Reportagem de Walter Brandimarte)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROROUBINI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.