Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Roubini vê perda de US$ 3,6 tri

Para ?dr. Maldição?, bancos estão insolventes nos EUA

Agências Internacionais, Dubai, O Estadao de S.Paulo

21 de janeiro de 2009 | 00h00

O pessimismo do economista Nouriel Roubini com a crise global parece não ter limites. Chamado de "dr. Maldição" em um perfil publicado pelo New York Times, o professor da Stern School of Business se notabilizou no mundo econômico-financeiro por ter visto, antes de praticamente todos os analistas, a profundidade da crise. Ontem, durante um evento em Dubai, Roubini sugeriu que o sistema bancário americano está "efetivamente insolvente", segundo informações veiculadas pela agência Bloomberg. "As perdas na área de crédito podem atingir US$ 3,6 trilhões nas instituições dos Estados Unidos, metade disso entre bancos e corretoras", afirmou. "Se isso for verdadeiro, significa que o sistema bancário americano está efetivamente insolvente, uma vez que seu capital total é de US$ 1,4 trilhão. Trata-se de uma crise bancária sistêmica."Semana passada, os dois maiores bancos dos EUA, Citigroup e Bank of America (BofA), anunciaram pesadas perdas no quarto trimestre de 2008. Em consequência dos balanços no vermelho, o governo anunciou mais uma rodada de ajuda às instituições - notadamente para o BofA, "novos" US$ 20 bilhões. Ontem, o Estado publicou um artigo do economista Paul Krugman, vencedor do Prêmio Nobel do ano passado, no qual ele defende que o governo dos EUA nacionalize, de uma vez por todas, os bancos do país que enfrentam problemas. Para Krugman, a nacionalização seria temporária. Depois que a crise de solvência tivesse se dissipado, ao longo de alguns anos, o governo poderia revendê-las para o setor privado. A agência AFP publicou ontem uma reportagem em que discute abertamente a possibilidade de nacionalização do Citigroup, que já foi o maior banco do mundo. Segundo o texto, "no caso do Citigroup, a estatização já é tecnicamente possível pelo fato de que o Estado obteve um pacote acionário em troca da ajuda já oferecida".Ouvido pela reportagem, o analista Peter Schiff, da Euro Pacific Capital, disse que "todos os bancos que recebem ajuda estatal caminham para a nacionalização".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.