Roubos e desperdícios fazem varejo perder R$ 2 bi em 2003

O setor varejista no Brasil acumulou perdas por roubos e desperdícios da ordem de R$ 2 bilhões durante o ano fiscal de 2003, o que correspondeu a 1,72% do faturamento anual do setor no período. A informação é da coordenadora do Grupo de Prevenção de Perdas do Programa de Administração de Varejo - Fundação Instituto de Administração ligado à USP (Provar-FIA/USP) - Cecília Leote, em sua pesquisa Avaliação das Perdas no Varejo Brasileiro - 2004, feita em parceria da Provar com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Segundo Cecília, embora o valor computado das perdas tenha sido menor do que o registrado na pesquisa de 2003 (referente ao ano fiscal de 2002), quando foram computadas perdas de R$ 3 bilhões (1,96% do faturamento anual do setor), o número ainda é muito grande. Ela considera que um patamar "aceitável" seria perdas em torno de 1% do faturamento anual das empresas do setor de varejo. "Patamar zero de perdas, não existe", admitiu ela. Maiores perdas estão em supermercados Do total de perdas por roubo e desperdício do setor varejista brasileiro durante 2003, cerca de 85% (R$ 1,7 bilhão) são do setor de supermercados, segundo Cecília Leote. De acordo com ela, do total de prejuízo no setor de supermercados, 60% são perdas relacionadas a produtos perecíveis, o que representaria um impacto negativo de R$ 1 bilhão. "No Brasil ainda há muito desperdício", disse, acrescentando que o setor de supermercados ainda tem muitos problemas de logística, acomodação de produtos e armazenamento que causam perdas para as empresas, tornando os produtos inutilizáveis para a venda. Furtos Além dos problemas de desperdício envolvendo os produtos perecíveis, o setor de supermercados e o de varejo como um todo, convive com o problema do furto, abrangendo também os itens não-perecíveis. O setor contabilizou perdas de R$ 2 bilhões no ano fiscal de 2003 e mais de 50% destas perdas foram causadas por furto, sendo 27% originadas de furto externo (cliente e quadrilhas) e 25% de furto interno (funcionários e fornecedores). Cecília observou que este percentual é grande, mas existem outros países em que o cenário é pior "Nos Estados Unidos o percentual de roubos no setor varejista é maior", disse, sem contudo mencionar o percentual daquele país. Segmento pesquisado A análise pesquisou 35 redes do setor varejista, o que representam 2.656 lojas, com faturamento bruto de R$ 36,1 bilhões. Isso representa cerca de 45% do total das associadas da Abras, sendo que, do total de pesquisadas, 38% eram originadas do segmento de farmácias e drogarias; 35% do segmento de supermercados; 19% do segmento de lojas de departamentos e descontos e o restante, 8%, são de outras lojas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.