RS anuncia parque industrial e desconto em ICMS

A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), pré-candidata à reeleição, divulgou hoje projetos de seis empresas que deverão se instalar no distrito industrial de Guaiba, na região metropolitana de Porto Alegre, com incentivos fiscais do Estado. À tarde, anunciou programa para pagamento de dívidas tributárias com desconto.

SANDRA HAHN, Agencia Estado

29 de março de 2010 | 18h55

Em Guaiba, Yeda assinou protocolos com as empresas, que devem iniciar atividades em prazos variados - a mais breve dentro de 12 a 15 meses - e completar os investimentos em até cinco anos. Os projetos irão ocupar parte de uma área com 970 hectares que pertence ao Estado e tinha sido destinada à Ford. Em 1999, a montadora desistiu de instalar uma unidade no Rio Grande do Sul, gerando polêmica entre governo - à época administrado por Olívio Dutra (PT) - e oposição.

O principal investimento, da Vipal Borrachas com a argentina Fate, de R$ 360 milhões, ainda não tem período previsto para início das obras, de acordo com informações fornecidas pela empresa brasileira. Os recursos serão aplicados em uma fábrica de pneus para máquinas agrícolas e de transporte. A fabricante de equipamentos para construção Terex, com sede nos Estados Unidos, prevê começar a operar em Guaiba dentro de 12 a 15 meses, onde irá investir R$ 150 milhões em cinco anos para produzir inicialmente equipamentos de sua linha para construção de estradas.

A empresa já produz estes equipamentos em Cachoeirinha (RS), mas a área de 3,5 hectares usada atualmente não oferece espaço para crescer, disse o presidente para a América Latina, André Freire. A nova unidade da Terex ficará em uma área de 50 hectares. A América Latina representou 8% do faturamento global da Terex em 2009, que somou US$ 4 bilhões. Com o aumento de capacidade, a Terex espera atender às demandas de infraestrutura decorrentes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Copa do Mundo e Olimpíada no Brasil.

A Gaya Serviços Florestais - que faz manejo de florestas e entrega de madeira - espera a licença prévia ambiental para começar as obras em Guaiba, onde terá pavilhão industrial e área administrativa. O diretor da Gaya Carlos Eduardo Stringhini estimou que nos próximos três anos o projeto estará concluído. A empresa espera atender clientes do setor de celulose, além de outras indústrias que usam madeira como matéria-prima. O investimento previsto é de até R$ 3 milhões em obras e R$ 15 milhões em equipamentos.

A montadora de aerogeradores para energia eólica Renobrax prevê instalar a primeira fase de seu projeto em Guaiba dentro de 24 meses. Nesta fase, a empresa, criada em setembro de 2008, estará em condições de montar aerogeradores. Na etapa seguinte, o objetivo é atrair fornecedores de componentes para a mesma área, operando de forma integrada, explicou seu diretor, Ricardo Rosito. A companhia prevê investimento de R$ 100 milhões.

A empresa de manutenção e montagem industrial Andrita, de Guaiba, deve investir R$ 5 milhões em parceria com a Supply, com sede em Tapiraí (SP), que processa resíduos de classe 1, gerados por indústrias ou postos de combustíveis, por exemplo. A previsão é entrar em operação até a metade de 2011 para tratar resíduos na primeira fase. A fabricante de rações International Pet deve aplicar R$ 4,8 milhões para produzir 50 mil toneladas por ano de ração. A unidade deve entrar em funcionamento no começo de 2011, conforme o governo.

Desconto

Aos contribuintes com dívidas tributárias do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em atraso, a governadora anunciou programa que oferece a possibilidade de pagar com desconto. Segundo o governo, dívidas lançadas até dezembro de 2009 podem ser quitadas com até 60% de desconto dos juros e correção monetária. Nos pagamentos à vista, há redução de 50% no valor da multa. O abatimento diminui de acordo com o número de parcelas utilizadas na quitação do débito. Além disso, o programa também prevê extinção de créditos vencidos até 31 de dezembro de 2003 e que somem menos de R$ 10 mil quando corrigidos até dezembro de 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.