Rumo que tomamos "deu mais certo que errado", diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva procurou transmitir um recado de tranqüilidade em relação aos rumos do País aos conselheiros que participam da reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), no Palácio do Planalto. "Nós sabemos o que significa a economia mundial. Sabemos o que pode significar o aprofundamento da crise dos países emergentes. Mas estamos tranqüilos", disse.Lula disse esperar que também o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, tenha transmitido essa tranqüilidade, no pronunciamento que fez durante a parte da reunião a que Lula não esteve presente. "Nada pior para o governo do que o chamado medo precipitado, tomar decisões por uma coisa que nem sabemos se vai acontecer", observou Lula, reafirmando o compromisso com o rumo que seu governo tomou, desde o início do seu mandato. "Tomamos um rumo e vamos segui-lo, até porque até agora ele deu mais certo do que errado", afirmou.Ele disse aos conselheiros que o governo continuará tomando iniciativas para o crescimento econômico sustentado, mas ressaltou que não há mágicas. "Todos sabem que não existem milagres, não existe possibilidade de trazer alguém para cá que possa fazer mágica", observou, reiterando que o governo continuará com a mesma seriedade com que começou.Aos conselheiros, disse que muitos têm os mesmos desejos que o governo, mas ponderou que existe uma diferença: "A diferença é que nós temos que assinar o cheque, e quando se tem que assinar o cheque aumenta o nervosismo da decisão" , disse Lula, comparando esse momento ao do jogador na hora do pênalti.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.