Rumor de intervenção do G-7 no câmbio impede queda do euro

O Tesouro dos EUA não quis comentar as especulações do mercado sobre uma suposta intervenção do G-7 no mercado de câmbio. Os rumores sobre uma ação coordenada dos principais bancos centrais do mundo contiveram a queda do euro, que ontem voltou a superar US$ 1,25, apesar do nervosismo do mercado em relação à dívida soberana na zona do euro. Às 16h35 (de Brasília), o euro era negociado em US$ 1,2538.

WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2010 | 00h00

O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, assegurou ontem que não há risco de cisão da zona do euro, mas sim de que o bloco não funcione direito se não houver mais coordenação entre seus integrantes.

"Os países da zona do euro estão juntos e devem ser capazes de trabalhar juntos. Honestamente, estamos observando que não é bem esse o caso", disse o diretor-gerente do FMI.

Strauss-Kahn apontou para a existência de uma crise de confiança na política europeia e na capacidade da Europa de tomar decisões de forma coordenada. Ele também afirmou diversas vezes que o crescimento econômico, no caso da Europa, é um problema maior do que o endividamento. / DOW JONES NEWSWIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.