Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Rumores contribuem para queda do dólar que chega a R$ 2,8880

O dólar comercial atingiu novo patamar mínimo desta quarta-feira. Às 15h45, a moeda norte-americana foi negociada a R$ 2,8880 na ponta de venda dos negócios, em baixa de 1,23% em relação às últimas operações de ontem. A trajetória de queda vem se mantendo durante todo o dia. Os motivos principais para justificar a tendência continuam sendo fluxo positivo (entrada de recursos) e movimentos em torno do leilão de rolagem da dívida cambial. Mas a desvalorização da moeda norte-americana hoje contou com a volta dos rumores de que o Brasil estaria captando recursos no exterior.O fato é que crescem os rumores de eventual emissão brasileira entre investidores domésticos e do exterior do mercado secundário da dívida, segundo apurou a editora Cynthia Decloedt. Os comentários são de que o governo brasileiro já teria encontrado compradores para US$ 600 milhões em novos títulos e que o lançamento seria fruto de reabertura da emissão com vencimento em 2011, feita durante a primeira operação de swap (troca de papéis) do governo Lula, em meados de agosto. O diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central, Beny Parnes, participa hoje e amanhã de reuniões com investidores em Nova York. O montante seria equivalente ao que falta para o governo brasileiro concluir o programa de US$ 3 bilhões em captações no mercado externo de 2003. AvaliaçãoA estrategista para América Latina do banco de investimentos Caboto, Siobhan Morden, disse que "dificilmente os rumores sobre a reabertura da emissão do Global 11 pelo governo brasileiro não correspondem à verdade". Segundo esses rumores, o total da emissão seria de cerca de US$ 600 milhões e a operação estaria sendo administrada pelos Citibank e a Goldman Sachs. "As informações sobre a emissão são tão detalhadas e específicas, que me parece difícil que ela não esteja prestes a ser confirmada", disse Morden ao correspondente da Agência Estado em Londres, João Caminoto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.