finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Rússia lança candidatura de checo para o FMI

Proposta russa tenta romper tradição de diretor do Fundo indicado por EUA ou UE.

BBC Brasil, BBC

22 de agosto de 2007 | 18h44

A Rússia apresentou nesta quarta-feira a indicação do ex-primeiro-ministro checo Josef Tosovsky para o cargo de diretor-gerente do FMI (Fundo Monetário Internacional).Em uma nota, o Ministério das Finanças da Rússia diz que Tosovsky é a "pessoa certa no lugar certo e na hora certa" para ocupar o cargo."Por possuir sólida experiência prática na esfera da cooperação econômica internacional, sendo um reconhecido especialista em questões de estabilidade financeira, ele é o candidato perfeito", afirma o comunicado.Com Tosovsky, agora são dois os candidatos ao cargo ocupado hoje pelo espanhol Rodrigo de Rato, que anunciou que está deixando a instituição em outubro. O outro, que conta com o apoio da União Européia, é o ex-ministro das Finanças francês Dominique Strauss-Kahn.Tradicionalmente, o nome do diretor-gerente do FMI é indicado pela União Européia e o do Banco Mundial, pelos Estados Unidos - uma regra que vem sendo contestada pela Rússia e outros países, incluindo o Brasil.O ministro das Finanças da Rússia, Alexei Kudrin, disse que conversou com representantes dos Brics (Brasil, Índia e China, além da Rússia), que teriam defendido a idéia de que o processo de escolha do novo diretor-gerente do fundo seja "competitivo".Por meio da assessoria de imprensa do Ministério da Fazenda, o ministro Guido Mantega disse que o Brasil considera importante a indicação do ex-primeiro-ministro checo e está interessado em conhecer as idéias dele para o Fundo.Em uma nota divulgada por ocasião de uma visita de Strauss-Kahn a Brasília, no início do mês, o governo reiterou a "preocupação brasileira com o compromisso de que seja abandonada a tradição, não escrita, de que o dirigente máximo do Fundo seja necessariamente um europeu".A mesma mensagem diz que o Brasil iria acompanhar o "desenrolar do processo sucessório no Fundo" antes de definir sua posição na eleição.Tosovsky foi chefe do Banco Central da República Checa em dois períodos, entre 1993 e 1997 e entre 1998 e 2000, e ocupou o cargo de primeiro-ministro de dezembro de 1997 a julho de 1998. Atualmente, ele preside o Instituto de Estabilidade Financeira, um braço do BIS (Banco de Compensações Internacionais, que reúne os Bancos Centrais de todo o mundo)."É uma grande honra para mim ser considerado para o cargo mais importante do FMI", disse Tosovsky, em um comunicado. "Estou satisfeito com o fato de minha indicação ter provocado uma reação positiva por parte de ministros das Finanças e presidentes de Bancos Centrais de vários países em todas as regiões do mundo."O lançamento da candidatura de Tosovsky, porém, não foi visto com bons olhos pelo governo da própria República Checa, país-membro da União Européia, que já apoiava Strauss-Kahn."Tosovsky não é o candidato da República Checa. Nós coordenamos nossa posição para a indicação do diretor-gerente do FMI com a União Européia", disse o primeiro-ministro checo Mirek Topolanek. O FMI recebe até o dia 31 de agosto indicações para o cargo de Rodrigo de Rato, que decidiu deixar o cargo em outubro, cerca de dois anos antes do final de seu mandato, alegando motivos pessoais.Depois de encerradas as indicações, o conselho executivo do FMI vai escolher seu substituto.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.