Rússia mantém o embargo à carne brasileira

Os primeiros contatos da missão brasileira com autoridades russas para tentar suspender o embargo à carne brasileira não tiveram resultado prático. O grupo, liderado pelo secretário de produção e comercialização do ministério, Linneu Costa Lima, continua nesta quarta-feira nas conversas com o Serviço Federal de Supervisão Veterinária e Fitossanitária. As exportações estão suspensas desde o último dia 18, depois que o governo brasileiro confirmou um foco de febre aftosa no rebanho bovino do município de Monte Alegre, no Pará.O secretário de política agrícola do Ministério da Agricultura, Ivan Wedekin, admitiu hoje que o Brasil precisa do trigo importado para atender o consumo interno. Ele não quis comentar os rumores de que o País poderia autorizar as importações de trigo da Rússia como "barganha" para que os russos retomem as compras de carnes do Brasil. "Desde que sejam respeitadas as condições necessárias de qualidade, as regras técnicas e fitossanitárias, o trigo pode ser importado de qualquer origem", disse.Questionado se uma possível autorização para compra de trigo russo não geraria uma crise com a Argentina, a maior exportadora para o Brasil, Wedekin disse que o Brasil concorreu com os argentinos neste ano. "Neste ano fomos concorrentes da Argentina no mercado externo. Exportamos mais de um milhão de toneladas de trigo e os argentinos não reclamaram", afirmou. "Podemos ter tomado parte do mercado abastecido pela Argentina. O mundo dos negócios tem essas oscilações".

Agencia Estado,

29 de junho de 2004 | 21h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.