Rússia pode ampliar em 50% produção de grãos--Cargill

A Rússia tem potencial para elevar aprodução de grãos em 30 a 40 milhões de toneladas por ano, umaumento de 50 por cento em relação aos níveis atuais, disse opresidente e chefe-executivo do grupo Cargill [CARG.UL] naquinta-feira, segundo o jornal Vedomosti. Greg Page afirmou ao jornal russo que sua empresa podedobrar os investimentos no país para 1 bilhão de dólares nospróximos 5 a 6 anos. "Eu sei que o primeiro-ministro (Vladimir) Putin estáconvencido da necessidade de aumentar a produção de grãos naRússia em 30 a 40 milhões de toneladas", disse Page, explicandoque pode ser necessário de sete a oito anos para que isso sejaalcançado, dado o tamanho e as condições climáticas da Rússia. "Se você olhar a quantidade de hectares e a qualidade dosolo, se o solo estiver pronto para produção e se forem criadasinfra-estrutura suficiente e instalações de processamento, nãovejo esse objetivo como algo impossível para os produtoresrussos", completou. A Rússia estima colher ao menos 85 milhões de toneladas degrãos neste ano, ante 81,8 milhões em 2007. Page afirmou que, segundo estimativas da Organização dasNações Unidas (ONU), o consumo global de alimentos deveaumentar 50 por cento até 2030 e dobrar até 2050, e a Rússiaresponderá por uma boa parte do aumento. "Tenho certeza que o mundo precisa dos grãos russos paramelhorar o equilíbrio entre a oferta e a demanda no mercado degrãos", disse ele. A Rússia, um dos principais fornecedores de grãos do mundo,exportou 13 milhões de toneladas em 2007/08, encerrado emjunho. A União Russa de Grãos afirmou que o país deve elevar asexportações para 17 milhões na próxima temporada. Page explicou que a Cargill gastou 500 milhões de dólaresem projetos na Rússia desde que começou a trabalhar no país, em1991, e pode dobrar o investimento no médio prazo. "Não ficarei surpreso se investirmos ao menos a mesmaquantidade nos próximos 5 a 6 anos", disse ele. (Por Tanya Mosolova)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.