Rússia pode fornecer até US$ 10 bilhões para zona do euro por meio do FMI

Assessor da presidência descartou a possibilidade de fazer contribuições para o fundo de resgate europeu 

Danielle Chaves, da Agência Estado,

31 de outubro de 2011 | 12h04

MOSCOU - Arkady Dvorkovich, assessor econômico da presidência da Rússia, afirmou que o governo de Moscou está pronto para ajudar a zona do euro a resolver a crise de dívida fornecendo até US$ 10 bilhões por meio do Fundo Monetário Internacional (FMI).

O assessor destacou a disposição da Rússia para fazer a ajuda via FMI, rejeitando contribuições bilaterais para a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês). Na semana passada, Dvorkovich afirmou que contribuições para o fundo de resgate eram uma possibilidade, talvez complementando uma ajuda por meio do FMI.

Dvorkovich disse estar "cautelosamente otimista" com o acordo anunciado pelos líderes europeus na semana passada - que prevê que o poder de fogo da EFSF será ampliado para cerca de 1 trilhão de euros. Autoridades europeias estão em conversas com China e Japão em busca de investimentos no fundo, mas também deverão abordar a Rússia e outros países emergentes. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.