Estadão
Estadão

Rússia restringe importação de carne brasileira

País anunciou uma restrição temporária das importações de carne suína e bovina de 11 frigoríficos brasileiros a partir de junho

RENATO OSELAME E VICTOR MARTINS, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2015 | 02h04

A Rússia anunciou uma restrição temporária das importações de carne suína e bovina de 11 frigoríficos brasileiros a partir de junho. As determinações do Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária do país, o Rosselkhoznadzor, afetam fábricas das principais empresas do setor: BRF, JBS, Marfrig e Minerva.

A suspensão, no entanto, não é nacional. Outras plantas dessas empresas podem suprir o volume que deixar de ser comprado das plantas que foram embargadas.

A JBS informou, em nota, que a decisão não causa prejuízo a contratos firmados com clientes daquele país. Duas fábricas da JBS foram embargadas.

Em entrevista ao BroadcastAgro, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Antônio Jorge Camardelli, afirmou desconhecer os motivos que levaram a Rússia a suspender a importação de carne bovina. Segundo ele, as medidas são comunicadas diretamente às empresas e ao Ministério da Agricultura, e a entidade não teve acesso a informações.

No entanto, Camardelli afirma que a Rússia tem a prerrogativa de realizar auditorias e checagem dos produtos. "Quando há algum descompasso em relação à normativa russa, o frigorífico é suspenso."

Nesse caso, as companhias são notificadas e devem corrigir eventuais problemas para retomar os embarques. "As empresas fazem as ações corretivas e o Ministério da Agricultura encaminha pedido para readmissão das unidades, citando que já há planos em curso para reverter as irregularidades", explica Camardelli.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.