Liz Guimarães/Estadão
Liz Guimarães/Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Sabatina de indicados por Temer ao Cade está marcada para hoje

Comissão do Senado vai questionar candidatos a conselheiro e presidente; nomes precisarão ainda ser aprovados no plenário

Lorenna Rodrigues e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2017 | 05h00

BRASÍLIA - A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado marcou para esta terça-feira, 13, a sabatina dos indicados para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e para a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Os nomes haviam sido enviados pelo presidente Michel Temer ao Senado em abril, mas, com a crise política e a reforma trabalhista dominando as discussões da Casa, a sabatina ficou em suspenso.

Serão sabatinados Alexandre Barreto, indicado para a presidência do Cade, Maurício Maia, indicado para conselheiro do órgão, e Gustavo Gonzalez, indicado para diretor da CVM. Os nomes precisam ser aprovados pela comissão e pelo plenário do Senado antes da nomeação.

Com a sabatina, o Cade poderá julgar um dos mais importantes casos do ano – a fusão entre Estácio e Kroton – já com novo presidente e conselheiro. A expectativa é que o caso vá a julgamento no próximo dia 28.

Segundo o Estadão/Broadcast apurou, a Kroton aposta nos novos nomes para conseguir um acordo melhor para a aprovação da operação. A empresa teria procurado senadores e pressionado para que a sabatina fosse marcada. A avaliação é que os indicados deverão ser menos duros do que os integrantes atuais do Cade.

A Kroton negocia atualmente com o Cade um acordo que reduza os impactos concorrenciais da operação para o grupo. Fontes dizem que a conselheira Cristiane Alkmin, relatora do caso, teria visto com bons olhos a oferta da empresa de vender um pacote com parte do corpo discente do novo grupo, que corresponderia a cerca de 200 mil alunos.

A conselheira, no entanto, não abriria mão de que a Kroton assuma o compromisso de manter índices de qualidade para os cursos da instituição após a operação – um “remédio” ao qual a empresa se opõe.

‘Efeito JBS’. A expectativa é que a sabatina seja mais dura do que o inicialmente esperado e que os indicados para o Cade sejam questionados pela oposição sobre o fato de o conselho ter sido citado na delação premiada da JBS.

Executivos da JBS disseram ter pago propina ao ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), a pedido do presidente Temer, para obter decisão favorável do Cade em caso envolvendo a termelétrica EPE Cuiabá, do grupo J&F, que entrou com ação no Cade questionando o preço estipulado pela Petrobrás pelo fornecimento de gás. O Cade nega qualquer intervenção no conselho e ressalta que ainda não houve decisão no caso.

O indicado para a CVM também deverá ser questionado sobre a atuação da JBS nas vésperas da denúncia e a suspeita de a empresa ter atuado no mercado de câmbio de posse de informações privilegiadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.