Estadão
Estadão

Sabesp tem lucro líquido de R$ 946,9 mi no 4º trimestre, alta de 105% ante 2015

No total do ano de 2016, o lucro foi de R$ 2,947 bilhões, mais de cinco vezes acima do de 2015

Marcelle Gutierrez e Fabio Leite, Broadcast

28 de março de 2017 | 08h26

SÃO PAULO - A Sabesp registrou lucro líquido de R$ 946,9 milhões no quarto trimestre de 2016, um avanço de 105% na comparação com o mesmo período do ano passado. No total do ano de 2016, o lucro foi de R$ 2,947 bilhões, mais de cinco vezes acima do de 2015.

De outubro a dezembro de 2016, o Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado somou R$ 1,209 bilhão, alta de 26,3% ante o quarto trimestre de 2016, com margem Ebitda ajustada de 31,1%, de 29,7%. Já no acumulado do ano, o Ebitda totalizou R$ 4,571 bilhões, um número 1,15% vez acima de 2015. A margem Ebitda ajustada no ano ficou em 32,4%, de 33,9%.

A receita operacional líquida nos três últimos meses de 2016 somou R$ 3,885 bilhões, um avanço de 20,6% contra igual intervalo do ano anterior. No total do ano passado, a receita subiu 20,4%, para R$ 14,098 bilhões. O resultado financeiro ficou positivo em R$ 163,4 milhões, ante um valor negativo de R$ 86,7 milhões no quarto trimestre de 2015. Em 2016, ficou positivo em R$ 699,4 milhões, de um valor negativo de R$ 2,456 bilhões em 2015.

Consumo. Os números mostram que a receita bruta da Sabesp subiu 24,3% em 2016, de R$ 8,9 bilhões para R$ 11,1 bilhões, na esteira do aumento do volume faturado com a venda de água e coleta de esgoto, que foi 4,4% maior do que em 2015, e, principalmente, por causa dos dois reajustes na tarifa aplicados no período aos consumidores paulistas.

Em junho de 2015, houve um aumento de 15,2% na conta de água, para compensar perdas financeiras da companhia com a crise hídrica. Em maio de 2016, a alta aplicada aos consumidores foi de 8,4%. Nesses dois anos a inflação oficial (IPCA) foi de 10,67% e 6,29%, respectivamente. 

Produção e perda de água. O balanço aponta ainda que depois de dois anos de seca histórica, que afetou diretamente o abastecimento de cerca de 20 milhões de pessoas na Grande São Paulo entre 2014 e 2015, a produção de água subiu 9,3% em 2016, chegando a 2,7 trilhões de litros, volume ainda inferior ao pré-crise. O fim da crise hídrica foi decretado em março de 2016 pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Em contrapartida, o índice de perdas de água da Sabesp com vazamentos nas tubulações e furtos subiu 11,6% após o término do racionamento imposto aos consumidores, chegando a 31,8%. O índice já supera o desperdício de água registrado pela companhia nos anos anteriores à crise, como 2012 e 2013, quando as perdas ficaram entre 31,1% e 31,2%.

Investimentos. Ainda segundo o balanço, a Sabesp investiu no ano passado R$ 3,87 bilhões, sendo a maior parte, R$ 2,6 bilhões em água, e R$ 1,23 bilhão em coleta e tratamento de esgoto.

Cerca de R$ 1,3 bilhão foi gasto na Parceria Público-Privada (PPP) do São Lourenço, novo sistema produtor de água que deve ser inaugurado neste ano no Vale do Ribeira para abastecer cerca de 2 milhões de pessoas na região oeste da Grande São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
SÃO PAULOSabesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.