Sacrifício de animais será acelerado no MS

O sacrifício de animais nas fazendas do Mato Grosso do Sul onde foram confirmados os focos de febre aftosa será acelerado, determinou o diretor-presidente da Agência Estadual de Defesa Sanitária e Vegetal (Iagro), João Cavalléro. O objetivo é intensificar as ações para controlar, o mais rápido possível, os focos. O Iagro teme a propagação da doença para rebanhos sadios. A aftosa é transmitida por animais ou materiais infectados, veículos, equipamentos e pessoas que tiveram contato com o vírus. Desde a descoberta do primeiro foco, no dia 8 de outubro no município de Eldorado, duas equipes de três pessoas cada são responsáveis pelo sacrifício dos animais. A idéia é aumentar para quatro o número de equipes, calculou a agência. O Ministério da Agricultura e o Iagro informaram que foram sacrificados, até domingo, 3.310 bovinos e 62 suínos em nove fazendas ou assentamentos nos municípios de Japorã e Eldorado. Técnicos do ministério calculam que será necessário abater 20 mil cabeças. Focos da doença também foram confirmados em Mundo Novo. Greve Cerca de 100 fiscais agropecuários mantêm o trabalho de fiscalização nos cinco municípios do Mato Grosso do Sul que foram interditados depois da confirmação de 22 focos de febre aftosa. Esses municípios são: Iguatemi, Eldorado, Japorã, Mundo Novo e Itaquaraí. Os técnicos fiscalizam as ações nas barreiras sanitárias e a proibição de trânsito de animais vivos das áreas interditadas. Os fiscais iniciaram nesta segunda-feira uma greve nacional por tempo indeterminado. Eles reivindicam aumento salarial, realização de concurso público, isonomia entre ativos, aposentados e pensionistas e fim do contingenciamento dos recursos orçamentários da Secretaria de Defesa Agropecuária. "Entregamos nossa pauta de reivindicação há mais de um ano para o Ministério do Planejamento e não recebemos resposta. Por isso, decidimos parar", disse o presidente da Associação Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários (Anffa), Luiz Fernando Santos Carvalho.

Agencia Estado,

07 Novembro 2005 | 18h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.