Sacrifícios adicionais recaíram sobre países exauridos, diz Lula

Durante sua participação na abertura da 11.a Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad), em São Paulo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que as receitas econômicas recomendadas nos últimos anos aos países emergentes foram equivocadas ao subestimarem o papel do investimento público e do consenso social na construção da estabilidade e do desenvolvimento. ?Sacrifícios adicionais recaíram sobre países que já estavam exauridos", diagnosticou o presidente.Ele argumentou ser necessária uma clara reafirmação pública de que "a boa arquitetura financeira é aquela que sustenta as mudanças". Citou como exemplo o desempenho das economias beneficiadas pelo Plano Marshall, após a Segunda Guerra Mundial. "O financiamento maciço espantou a depressão e gerou uma espiral de prosperidade. Trouxe volta o emprego, a renda e a poupança, além consolidar a paz e o progresso", ressaltou.Para Lula, "nenhuma fronteira geográfica ou tecnológica reúne hoje ingredientes com tantas necessidades urgentes", como os países em desenvolvimento. "É preciso associar a variável do crescimento à questão financeira. Os organismos internacionais devem ampliar o seu foco", cobrou, argumentando que só assim serão criadas as oportunidades seguras "de investimento em infra-estrutura, exportações, diversificação produtiva e regeneração social".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.