Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Sadia voltará aos supermercados argentinos, diz jornal

A Sadia deverá voltar às prateleiras dos supermercados argentinos dentro de pouco tempo, segundo revelaram fontes da empresa ao jornal El Cronista, durante a feira de alimentação Sial Mercosul, que se realiza no Rio de Janeiro. Representantes da Sadia já estão mantendo negociações com os supermercados Coto, Jumbo, Wal-Mart e La Anônima para voltar a vender na Argentina seus medalhões de frango e de peru, que chegaram a ser líderes no país, além de frios e outros produtos congelados, como os nuggets, segmento que ocupava o segundo lugar, atrás das Patitas, elaborada por Granja del Sol, de Molinos.A brasileira também pretende colocar nesse mercado, a margarina Qualy. De acordo com o jornal, durante a Sial Mercosul, diretores da Sadia teriam se reunido com o empresário Alfredo Coto, dono da segunda maior rede de supermecados da Argentina. A Sadia abandonou seus negócios na Argentina em maio de 2002, quando perdeu a paciência com os pagamentos dos supermercados e as moedas paralelas que recebia. A brasileira argumentou a queda de suas vendas, de US$ 50 milhões, em 99, para US$ 33 milhões, em 2001. A projeção para 2003 era de um faturamento de apenas US$ 3 milhões. Com sua saída do país, o centro de distribuição de seis mil metros quadrados que havia montado em Garín, província de Buenos Aires, foi fechado, deixando atrás investimentos da ordem de US$ 20 milhões, os quais foram realizados em 1992, quando a empresa desembarcou nesse mercado. A Sadia deixou na Argentina somente um escritório de representação que continuou abastecendo o mercado com peru, durante as festas natalinas e para algumas lojas especializadas.

Agencia Estado,

18 de setembro de 2003 | 08h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.