Saem as regras para os fundos de privatização

A Caixa Econômica Federal (CEF) publicou hoje no Diário Oficial da União os procedimentos operacionais para a utilização dos recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) do trabalhador nos Fundos Mútuos de Privatização (FMP). A carteira desse investimento será formada exclusivamente por ações de empresas estatais. De acordo com a circular poderão ser utilizados até 50% dos saldos do FGTS do trabalhador. A utilização dosrecursos, após o investimento nesses fundos, continuará sujeito às regras das atuais contas do FGTS, ou seja, o dinheiro só pode ser sacado em caso de demissão por justa causa, compra da casa própria e tratamento de saúde. O trabalhador que tiver uma conta vinculada deverá dirigir-se a uma instituição administradora de FMP, diretamente ou por meio de um clube de investimento. Investimento não tem garantia de rentabilidade No pedido, o trabalhador deverá ficar ciente de que o valor aplicado estará sujeito às regras do mercado de ações, principalmente no que se refere à remuneração. Com isso, ele não terá garantia de rendimento de Taxa Referencial (TR) mais 3% ao ano, como ocorre com a conta de FGTS. Vale destacar que somente após 12 meses o trabalhador poderá retirar os recursos desse fundo e voltar à conta antiga.Veja na seqüência as respostas às principais dúvidas da operação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.