JOSÉ MARIA TOMAZELA/AE
JOSÉ MARIA TOMAZELA/AE

Safra de soja deve se aproximar do recorde do último ano, prevê Rabobank

Colheita de soja do Brasil deve atingir 114 milhões de toneladas, número similar ao da safra 2016/2017

Reuters

15 Março 2018 | 20h32

A safra de soja 2017/18 do Brasil, cuja colheita caminha para a reta final, deve atingir 114 milhões de toneladas, projetou o Rabobank, em relatório nesta quinta-feira, 15. O número é próximo das 113,923 milhões de toneladas produzidas na última temporada, de acordo com dados da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB).

Em fevereiro, o Rabobank estimava 111 milhões de toneladas, e sua revisão para cima se segue à realizada por outras consultorias e agentes do mercado, incluindo a própria Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A temporada deste ano começou levantando preocupações no mercado, dada uma forte estiagem na fase de plantio, mas depois as condições climáticas melhoraram e, com o início da colheita, passaram a ser reportadas produtividades acima das esperadas no país, o maior exportador mundial da oleaginosa.

+ Brasil assina acordo de exportação de soja para a Espanha

Os bons resultados da produção no Brasil, no entanto, contrastam com as expectativas para a Argentina, onde a pior estiagem em 30 anos nas regiões produtoras de soja deve resultar na menor safra dos últimos seis anos no país, segundo o Rabobank.

O banco prevê que o país, terceiro maior produtor de soja em grão e líder nos embarques de farelo e óleo, produzirá 46 milhões de toneladas na safra 2017/18, “com viés para ser reduzida para um patamar próximo de 40 milhões de toneladas, caso as chuvas sigam escassas durante o mês de março”.

+ Apesar da safra menor, renda do campo deve bater recorde este ano

O Rabobank lembrou que esse é o fundamento por trás dos preços da soja em alta na Bolsa de Chicago, os quais, por sua vez, têm impulsionado as vendas no Brasil.

Milho. O banco projetou ainda que o Brasil produzirá 25 milhões de toneladas de milho primeira safra, o menor volume em 20 anos, resultado de um plantio pequeno em meio a preços considerados pouco atrativos.

+ Plantio recua e faz preço do milho disparar

Como consequência, a instituição disse que as apostas estão na segunda safra, a “safrinha”.

“O cenário-base do Rabobank aponta para uma área de 11,7 milhões de hectares destinada ao milho segunda safra, leve redução em comparação ao ciclo anterior em função de problemas pontuais de atraso de ciclo e colheita da soja, cultura que antecede a safrinha. Assim, assumindo a linha de tendência da produtividade, a produção nacional é estimada em 60,5 milhões de toneladas”, destacou o banco.

+ Produtor diz que momento é de estabilidade no campo graças à soja

Portanto, a expectativa é de uma produção total de milho de 85,5 milhões de toneladas na safra 2017/18.

“Dada a competitividade do milho brasileiro no mercado internacional, as exportações devem seguir em patamares próximos de 30 milhões de toneladas em 2018. Além disso, a demanda interna também tem viés altista”, afirmou o Rabobank.

“Nesse cenário, a perspectiva é de pressão sobre os estoques nacionais, dando sustentação aos preços locais”, concluiu o Rabobank, esperando preços médios de 33 a 35 reais por saca nesta safra, ante 30 reais no ano anterior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.