Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Sai amanhã programa de crédito para compra de eletrodoméstico

O governo anuncia amanhã, no Ministério da Fazenda, um megaprograma de incentivo ao consumo de eletrodomésticos. Com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que podem chegar a R$ 400 milhões até o final do ano, serão financiados fogões, geladeiras, máquinas de lavar e TVs para os trabalhadores. O programa, chamado de Liga Branca, tem também o objetivo de pelo menos manter o nível de emprego até o mês de dezembro ? uma garantia dada pelas empresas fabricantes ao governo para o lançamento do projeto. Segundo fontes do governo, apesar de a previsão de investimento para a troca do eletrodoméstico velho ou a compra de um novo ser de R$ 400 milhões, inicialmente será autorizado o uso de R$ 200 milhões de recursos do FAT. Metade desse valor será aplicado pela Caixa Econômica Federal e a outra metade pelo Banco do Brasil. CaracterísticasO financiamento para os trabalhadores não terá limitação de renda, o que significa que tanto a classe média quanto os de baixa renda terão acesso ao produto. O foco do programa é o trabalhador de renda mais baixa porque o crédito será limitado a R$ 800,00. Com esse dinheiro obtido na Caixa ou no BB, o trabalhador vai à loja de sua preferência e compra o fogão, geladeira, máquina de lavar ou TV à vista. ?O programa vai alcançar o trabalhador de baixa renda pelo aumento do prazo de pagamento, que será de 36 meses nos bancos e também pela taxa de juros mais baixa, de até 2,53% ao mês?, explicou um técnico que trabalhou no detalhamento do projeto. ObjetivosCom o programa Liga Branca o governo também quer pressionar as financeiras a reduzir as taxas de juros para o consumidor. O setor de eletrodoméstico foi escolhido, segundo um técnico, devido ao rápido impacto que as compras terão sobre a atividade econômica, sendo também elevado o porcentual de emprego a ser mantido na atividade. Essa não é a primeira vez que os recursos do FAT são usados no governo Lula em programas de incentivo ao consumo, manutenção e geração de emprego e garantia de renda. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) já destinou R$ 5,3 bilhões para diversos programas, inclusive para a compra de material de construção e recuperação de imóveis deteriorados dos centros das grandes cidades.

Agencia Estado,

16 de setembro de 2003 | 18h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.