Saia do vermelho no início do ano

O primeiro trimestre do ano é tipicamente uma época de muitas despesas para o consumidor. Impostos a pagar - como IPTU IPVA, Seguro Obrigatório -, crediários do final de ano e ainda, para quem tem filhos, a despesa do início do ano com matrícula e material escolar fazem com que o gasto familiar tenha um aumento significativo. Em muitos casos, o susto chega quando o saldo da conte corrente fica negativo e ainda há contas a pagar. O ideal seria que as pessoas controlassem ao máximo os gastos e as despesas. Como essa não é uma situação comum a todos, uma dica para quem quer evitar uma situação desagradável é elaborar uma planejamento de contas e receitas. Com a planilha em mãos, as pessoas menos atentas terão o registro por escrito de tudo aquilo que será ou foi gasto e de quanto será necessário para honrar seus compromissos. Além disso, pode-se também fazer o planejamento de uma compra maior ou, melhor ainda, de aplicação de seu dinheiro (veja mais informações no link abaixo). Colocar tudo no papel nem sempre é uma das tarefas mais atraentes. Mas um descuido nas finanças domésticas pode levar à inadimplência, incluindo-se o risco de inclusão nas listas negras dos serviços de proteção ao crédito - como SPC e Serasa. Geralmente, o controle mais detalhado só ganha a importância devida em situações de crise - desemprego momentâneo, previsão de endividamento e grandes despesas imprevistas. Como organizar sua planilha de gastosA planilha é apenas um modelo, cabendo a cada um adequá-la às suas necessidades. O primeiro passo para a elaboração da tabela é definir a lista de gastos mensais, considerando sempre a renda disponível. Deve-se dar prioridade às despesas essenciais fixas como, por exemplo, o aluguel. Também é importante reservar uma parte do orçamento para despesas eventuais, como consertos, acidentes ou presentes. Não deixe de considerar também as compras sazonais.Feita a relação de gastos, o próximo passo é organizá-los de acordo com os tópicos e preencher as colunas referentes ao gasto previsto e o realizado a cada mês. Assim, o último passo é comparar os números das duas tabelas e, se o resultado do mês for negativo, definir o quanto se pretende economizar e decidir onde serão feitos os cortes. A prioridade do que foi economizado deve ser o pagamento de dívidas. Quitadas todas as pendências sobre as quais se pagam juros, a recomendação é de formar uma poupança, fazendo uma aplicação financeira (veja link abaixo).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.