Imagem Fábio Gallo
Colunista
Fábio Gallo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Saiba como avaliar o serviço do seu banco

Há muitas insatisfações com os bancos com relação a atendimento, tarifas e por aí vai

Fábio Gallo, O Estado de S. Paulo

07 Janeiro 2019 | 05h00

Tenho R$ 500 mil com possibilidade de aplicação por mais de três anos. Qual das ofertas a seguir você acha melhor? Tesouro prefixado em torno de 8% ao ano para 2022; Tesouro pós-fixado também para 2022; CDB prefixado a 9% sem liquidez para três anos; LCI pós-fixada a 95% do CDI e LCI prefixada oferecida a 9,13% ao ano.

A Letra de Crédito Imobiliário (LCI) a 9,13% ao ano, a princípio, é a melhor opção. A minha resposta carece de uma análise mais aprofundada porque não há informações acerca do restante da carteira e do objetivo estabelecido para esta aplicação. A LCI tem uma rentabilidade muito boa e sem a incidência de Imposto de Renda. A garantia desse título é de até R$ 250 mil pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Por essas características, é uma opção melhor que o CDB, que tem incidência de imposto e a mesma garantia do FGC. Neste título, não há taxa de administração.

A LCI pós-fixada hoje estaria rendendo algo em torno de 6,20% ao ano. No entanto, os títulos do Tesouro Direto neste momento não apresentam vencimento para 2022. Está sendo negociado Tesouro Prefixado (LTN) para 2021 com oferta ao redor de 7,3% ao ano e para 2025 a 9,18% ao ano. O primeiro vencimento encontrado para pós-fixados é o Tesouro IPCA+ 2024 com taxa de 4,53% ao ano mais a variação do IPCA.

Os títulos do Tesouro têm custos relativamente baixos, mas têm incidência de IR. Com esse volume de recursos para investir, o mais adequado seria diversificar, aplicando em outros títulos e até mesmo buscando um pouco mais de rentabilidade em ativos com mais risco. Mas, aparentemente, há a opção pela renda fixa. A dica é você realizar um planejamento mais firme considerando todos os seus investimentos e diversificando a sua carteira para mitigar risco, mas observando também a questão da liquidez dentro do seu orçamento.

Eu estou muito pouco satisfeito com meu banco. Mas, aparentemente, os outros não são muito diferentes. Alguma dica?

Infelizmente, há muitas insatisfações com os bancos com relação a atendimento, tarifas e por aí vai. Mas, o fato é que dependemos deles e o melhor a fazer é comparar as diversas instituições e reclamar na ouvidoria sempre que for o caso. Há pouco, passei por uma situação que considero grave em um dos maiores bancos do mercado e, para minha surpresa, o atendimento e rapidez na solução do problema foi excelente. Mas, há uma maneira de todos nós agirmos para melhorar a atividade bancária: participando e dando a sua avaliação no Guia dos Bancos Responsáveis 2018.

Essa á uma iniciativa do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e da Oxfam Novib, uma confederação que reúne 17 outras organizações em mais de 90 países. Essa rede de organizações da sociedade civil busca o fortalecimento das instituições financeiras com normas sociais, ambientais e de direitos humanos. A pergunta trazida por eles é: “Você sabe o que seu banco está fazendo com seu dinheiro?” O fato é que os bancos fazem a intermediação do acesso ao capital para todo o tipo de atividade econômica. Isso pode incluir violação dos direitos humanos, poluir o meio ambiente, financiar a indústria do tabaco e muitas outras atividades. Da mesma forma contribuem para melhoria do ambiente e proteção da biodiversidade. 

As avaliações sobre as políticas e práticas bancárias recebem pontuação de 0 a 10 para cada um dos 18 temas analisados. Entre no site Guia dos Bancos Responsáveis e dê o seu voto.

Mais conteúdo sobre:
banco [sistema financeiro]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.