finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Saiba mais sobre pacote de Bush para o setor de crédito imobiliário

Novas linhas de planejamento da gigante seguradora de hipotecas devem ajudar 240 mil donos de casas

Reuters,

31 de agosto de 2007 | 16h55

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, anunciou nesta sexta-feira, 31, reformas da Administração Habitacional Federal (FHA, na sigla em inglês) destinadas a ajudar mutuários que possuem empréstimos imobiliários de alto risco.   Veja também:  Cronologia da crise financeira Fed está pronto a agir se crise afetar economia, diz BernankeDólar termina agosto com maior alta mensal em 15 mesesNovas linhas de planejamento da gigante seguradora de hipotecas governamental devem ajudar 240 mil donos de casas a obterem prazos para pagar por suas hipotecas no próximo ano, informou a FHA.Ao garantir pagamentos de empréstimos imobiliários aos credores, a FHA torna possível que mutuários com hipotecas de risco consigam prazos mais favoráveis de financiamento.Veja alguns detalhes da proposta: - Tomadores de empréstimos que têm vários meses de pagamentos atrasados ainda podem se habilitar para um empréstimo da FHA se estas inadimplências forem apenas uma ponta nas hipotecas pós-fixadas existentes. - Um novo sistema de precificação baseado em risco para seguros da FHA entrará em vigor em 1o de janeiro e cobrará prêmios maiores de mutuários com maiores chances de inadimplência, mas também significará acesso mais amplo ao programa. - Como sob os termos atuais da FHA, os tomadores de empréstimos devem oferecer 3 por cento do valor do financiamento em dinheiro ou na forma de uma participação no imóvel. - Parlamentares devem analisar uma reforma da legislação da FHA quando retornarem do recesso de verão local. Um plano de reforma apoiado por Bush permitiria financiamento de 100 por cento e então abriria garantias da FHA para mais tomadores de empréstimos subprime. (Por Patrick Rucker)

Tudo o que sabemos sobre:
Aversão ao riscoMercado financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.