Denis Balibouse/Reuters - 20/1/2020
Denis Balibouse/Reuters - 20/1/2020

Saída da pandemia precisa diminuir a desigualdade do mundo, diz diretora-geral do FMI

Kristalina Georgieva afirmou, em participação no Fórum Econômico Mundial, que a recuperação da economia global será uma oportunidade para que, finalmente, o capitalismo possa ser um sistema para todos

Célia Froufe, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2021 | 14h50

BRASÍLIA - A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, disse nesta terça-feira, 26, que a recuperação da economia global, massacrada pela pandemia de covid-19, será uma oportunidade para mais equilíbrio social no mundo e para que, finalmente, o capitalismo possa ser um sistema para todos. "Sabemos que a saída da pandemia precisa diminuir a desigualdade no mundo", afirmou.

Para a búlgara, os governos são as figuras mais apropriadas para conduzir essa mudança no globo e gerar oportunidades de redistribuição de renda, mas não devem agir só. “Os governos precisam fazer as coisas certas e as empresas precisam fazer as coisas certas”, disse ela, enfatizando grupos de jovens e mulheres, por exemplo.

As ações são claramente mais necessárias, de acordo com Georgieva, nos países mais pobres e, para ela, bancos centrais e demais autoridades financeiras em todo o mundo têm como atuar nesse sentido, principalmente se realizarem o trabalho de forma conjunta. “Fazendo isso de forma compartilhada, então poderemos dizer que o capitalismo será para todos”, afirmou.

As considerações da diretora do FMI foram feitas durante um painel  “Implementando o capitalismo do stakeholder”, do Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês). Por causa da pandemia, a organização decidiu fazer o evento, que tradicionalmente reúne todos os anos a elite econômica e política do mundo em Davos, nos Alpes suíços, de forma virtual. Há previsão de que uma edição presencial do evento ocorra em maio, em Cingapura.

O debate teve como premissa a decisão do Conselho Empresarial Internacional do Fórum Econômico Mundial de propor um conjunto de métricas ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês) universais para as empresas, independentemente do setor ou região em que atuam. 

Além de Kristalina Georgieva, participaram das discussões o fundador e presidente-executivo do Fórum, Klaus Schwab; a editora-geral e presidente do Conselho Editorial do jornal britânico The Financial Times, Gillian Tett; o presidente e CEO do Bank of America, Brian Moynihan; a vice-primeira-ministra e ministra das Finanças do Canadá, Chrystia Freeland; o presidente e CEO da Salesforce, Marc Benioff; e o presidente e CEO do fundo de investimentos BlackRock, Laurence Fink.S

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.