Saída de grandes redes afetou imagem do empreendimento

Desde a inauguração, operação hoteleira soma prejuízos de cerca de R$ 60 milhões, mais da metade só em 2009

, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2010 | 00h00

Hoje tratada como algo benéfico pela Previ, a saída, nos últimos anos, das grandes redes internacionais que operavam os hotéis da Costa do Sauipe coincidiu com a corrosão da imagem do empreendimento - e com crescentes prejuízos da Sauipe S.A. Desde a inauguração, apenas a operação hoteleira soma perdas de cerca de R$ 60 milhões - R$ 32 milhões só no ano passado.

A saída das operadoras foi resultado da tentativa da Sauipe S.A. de renegociar os contratos de arrendamento dos hotéis, a partir do primeiro semestre de 2007. A proposta, que incluía o pagamento de aluguel fixo e maior centralização na gestão do empreendimento, não foi aceita pelos grupos hoteleiros.

A Accor deixou o complexo em agosto de 2007. Em maio de 2008, foi a vez de a rede Marriott anunciar sua saída. Em março de 2009, o grupo Pestana deixou a administração das pousadas. No dia 31, o último remanescente dos operadores estrangeiros, o SuperClubs, anunciou sua retirada. As empresas que administravam os centros de lazer e os restaurantes do complexo também foram deixando o empreendimento - ou sendo afastados.

Os seguidos anúncios de saídas de redes respeitadas no mercado, sempre cercados de boatos, abalaram a imagem da Costa do Sauipe. Os hotéis e pousadas passaram a ser administrados pela própria Sauipe S.A., mas o mercado questionou a capacidade da empresa de prestar serviços à altura dos oferecidos pelas operadoras internacionais.

"Claro que a saída de marcas reconhecidas causa impacto, faz uma empresa perder negócios importantes", admite o ex-presidente da Costa do Sauipe, Alexandre Zubaran. "Mas esse era um processo necessário para que a Sauipe S.A. pudesse estar onde se encontra hoje, livre de amarras e pronta para trilhar um novo caminho."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.