Matt Dunham/AP
Matt Dunham/AP

Sainsbury's compra Asda, do Walmart, por cerca de US$ 10 bi

Aquisição dá origem à maior rede do Reino Unido de supermercados; varejista também negocia sua operação no Brasil

Reuters

30 Abril 2018 | 21h45

O Sainsbury’s anunciou oficialmente nesta segunda, 30, a compra do Asda, do Walmart, por cerca de £ 7,3 bilhões de libras (US$ 10 bilhões), para criar o maior grupo de supermercados do Reino Unido por valor de mercado, superando o líder de longa data Tesco.

O maior acordo britânico do setor em mais de uma década junta o segundo e o terceiro maiores varejistas de alimentos britânicos, com o objetivo de gerar economias e poder de compra para competir melhor com o crescente mercado de lojas de desconto, com um Tesco maior após a compra do atacadista Booker, e com o aumento das compras online.

O acordo em dinheiro e ações também abre uma potencial saída para o Walmart, uma vez que o Asda, comprado pela varejista norte-americana em 1999 por £ 6,7 bilhões, tem enfrentado dificuldades para crescer, com lojas de desconto como Aldi e Lidl atraindo seus clientes.

O Sainsbury’s disse que a combinação vai gerar sinergias de pelo menos £ 500 milhões e permitirá que os preços de muitos produtos sejam reduzidos em cerca de 10%.

No entanto, a transação enfrenta dificuldades regulatórias significativas. A Autoridade de Competição de Mercados britânica (CMA, na sigla em inglês) disse que provavelmente vai revisar o acordo.

Mesmo assim, as ações do Sainsbury’s chegaram a subir 21%, para £3,27, o maior patamar desde julho de 2014.

O Walmart vai receber £ 3 bilhões em dinheiro e uma participação de 42% no negócio combinado, avaliando o Asda em cerca de £ 7,3 bilhões em uma base sem dívida.

Embora o presidente executivo do Sainsbury’s, Mike Coupe, tenha dito que o acordo é “uma fusão, não uma aquisição”, o Sainsbury’s será o acionista principal.

Coupe, que já trabalhou no Asda, o presidente do conselho de administração do Sainsbury’s, David Tyler, e o vice-presidente de finanças, Kevin O’Byrne, manterão seus cargos na empresa oriunda do acordo. O presidente executivo do Asda, Roger Burnley, que trabalhou no Sainsbury’s por uma década, vai continuar à frente da unidade Asda, que manterá a marca separada.

No Brasil, embora não comente, a varejista americana negocia, com exclusividade, sua operação com o fundo americano Advent.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.