Salário de servidor argentino depende da arrecadação

O secretário de Fazenda da Argentina, Oscar Lamberto, anunciou nesta sexta-feira à noite que os salários do funcionalismo público serão pagos de acordo com o volume da arrecadação de impostos. Lamberto destacou que daqui para a frente será preciso arrecadar mais para poder pagar o funcionalismo, porque não há outra fonte de recursos para o governo argentino.Ele afirmou que o presidente Eduado Duhalde autorizou o pagamento primeiro para os programas alimentares, depois para auxílio-emprego, em seguida para aposentados e pensionistas e, somente depois, para os servidores.Oscar Lamberto minimizou o gesto do presidente Duhalde de ter aumentado o próprio salário em 500 pesos (de 2.500 para 3.000 pesos) no mesmo dia em que transmite essa triste notícia para o funcionalismo, que, no ano passado, sofreu um amargo corte de 13% no seu salário."Por favor, falemos seriamente, 500 pesos não resolvem o problema de caixa, não alteram nada", disse Lamberto, desconsiderando que o gesto do presidente foi amplamente condenado pela opinião pública.Os funcionários receberão os salários de acordo com o cronograma de arrecadação de impostos. Essa medida já havia sido ventilada durante esta sexta-feira, gerando reação das centrais sindicais, que alertaram para o risco de antecipar a já anunciada explosão social na Argentina.Leia o especial

Agencia Estado,

22 de fevereiro de 2002 | 18h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.