Salário dos trabalhadores é o melhor para o mês desde 2001

A Pesquisa de Emprego e Desemprego da Fundação Seade e do Dieese mostra que, pelo segundo mês consecutivo, a renda média do trabalhador subiu. Em julho, último dado disponível, a alta foi de 1,7% em relação a junho, passando de R$ 1.038,00 para R$ 1.057,00.Um outro dado positivo, segundo os analistas, refere-se à massa de rendimentos -- a soma dos salários de todos os trabalhadores. Em julho, o total superou pela primeira vez, em 2,5%, o patamar alcançado em 2002 (2,5%). Em relação a julho de 2003, a massa está 10,1% superior, e ante julho de 2004, em 1,8%. Ainda assim, é 6,5% inferior àquela verificada em julho de 2001.Segundo o coordenador de pesquisas do Seade, Alexandre Loloian, essa recuperação da massa de rendimentos reflete o aumento do nível de ocupação combinada à recuperação da renda média. "O crescimento da ocupação ainda é maior que o avanço do rendimento. Mas já começa a acontecer uma recuperação do rendimento."Início da queda do desempregoA queda para 17,1% na taxa de desemprego total na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) em agosto, apurada pela Fundação Seade e pelo Dieese, é o início de um processo de recuo que vai se aprofundar nos próximos meses, segundo Lolorian.Para ele, a melhora no quadro do desemprego está ligada à perspectiva de retomada da construção civil. "O setor está se preparando para os efeitos positivos do aumento de recursos para a casa própria, da MP do Bem e das obras públicas. O quadro deve melhorar ainda mais nos próximos meses", completou.Para o diretor do Dieese, os investimentos realizados em 2005 começam a favorecer a formalização do trabalho. Ou seja, em agosto, foram criados 85 mil postos de trabalho com carteira assinada. Entre janeiro e agosto, foram 218 mil postos de trabalho formais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.