Salários crescem 8,8% em maio na comparação com 2003

As massas de rendimentos dos trabalhadores ocupados e de salários cresceram, em maio, respectivamente 7,4% e 8,8% em relação ao mesmo mês do ano passado, segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego da região metropolitana de São Paulo realizada pela Fundação Seade em parceria com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-econômicos (Dieese). Na comparação com o mês anterior, os rendimentos cresceram 5,4%, enquanto a massa salarial aumentou 5%."Esses crescimentos são conseqüência do aumento dos postos de trabalho, da elevação dos valores médios individuais recebidos pelos trabalhadores, resultados de negociações coletivas, queda de inflação e maior formalização da mão-de-obra", listou o diretor-técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio.A avaliação dos técnicos das duas entidades é que a maior oferta de recursos deverá impactar na expansão de consumo no mercado doméstico. "Quase o total desse aumento de massa de recursos será gasto, dada a baixa renda mensal do trabalhador brasileiro", observou o diretor da Fundação Seade, Sinésio Pires Ferreira. "Esse aumento de consumo certamente impactará no mercado de trabalho e na necessidade de expansão de produção de nossas indústrias", complementou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.