Divulgação
Divulgação

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Saldo da criação de vagas formais no Brasil cai 38% em agosto

Volume de mais de 101 mil vagas é inferior ao do mesmo mês de 2013; serviços lidera contratações e agricultura, vagas fechadas

Laís Alegretti, Agência Estado

11 de setembro de 2014 | 15h03


O mercado de trabalho no Brasil encerrou o mês de agosto com o saldo líquido (diferença positiva entre demissões e contratações) de 101,4 mil vagas em agosto - divulgou nesta quinta-feira, 11, o Ministério do Trabalho, em seu Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O número, na série com ajustes, é 37,45% inferior ao saldo obtido em agosto de 2013. Sem ajustes, o recuo é de 20,54%. 

A série ajustada se refere a quantidade de 162,2 mil vagas criadas em agosto do ano passado, ou seja, ao número corrigido posteriormente. Na comparação ainda sem a correção, portanto, sem ajustes, o volume de vagas criadas naquele mês era de 127,6 mil.

O resultado de agosto deste ano foi obtido com a contratação formal de 1,748 milhões de brasileiros; e demissão de 1,647 milhão. O Caged de agosto aponta para o setor de serviços como o responsável pelo maior número de carteiras assinadas em agosto: 71,3 mil. A agricultura, por sua vez, sobretudo por causa da atual época de seca e quebra de safras, fechou 9,6 mil postos no mês. 

Esses dados ficaram acima da mediana das estimativas coletadas pelo AE Projeções, serviço de estimativas da Agência Estado, de criação de 71,5 mil postos de trabalho. Também ficou acima do intervalo das previsões, que iam de 60 mil a 94,5 mil vagas.

No ano, com ajustes, o Caged já contabiliza saldo de 751,5 mil vagas criadas. Na previsão do ministro do Trabalho, Manoel Dias, até o último dia de dezembro será alcançado o total de 1 milhão de vagas. 

"Havíamos dito que esperávamos melhoras; uns alegam que é otimismo, mas os números confirmam a melhora que prevíamos", disse. "Atribuo reação do emprego ao crescimento da economia", disse.  

Em julho, a geração de empregos no Brasil havia registrado o pior resultado para o mês desde 1999. Foram criados 11,8 mil postos, o que representou uma queda de 71,55% frente a julho do ano passado. Na ocasião em que comentou esse resultado, Dias disse que o quadro iria melhorar.

Neste mês, a divulgação dos dados de emprego ocorreu mais cedo, no 11º dia do mês. Pelo menos nos últimos 12 meses, em nenhuma ocasião o resultado do Caged foi divulgado antes do dia 16. Em agosto, a divulgação dos dados de julho ocorreu no dia 21. Em setembro do ano passado, o resultado do mês de agosto de 2013 foi publicado no dia 20. 

Tudo o que sabemos sobre:
Caged

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.