Saldo das contas externas do País bate recorde em julho

As transações correntes do mês de julho apresentaram superávit de US$ 2,592 bilhões. Este resultado, segundo o BC, foi influenciado pelo superávit recorde da balança comercial em julho de US$ 5,012 bilhões que, juntamente com a balança de serviços e as transferências unilaterais compõem o saldo das transações correntes.O chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes, comemorou o superávit histórico do mês passado. Segundo ele, este é o maior saldo obtido num único mês desde que o BC começou a série histórica deste indicador econômico, em 1947.No acumulado do ano (janeiro-julho) o superávit em transações correntes soma US$ 7,876 bilhões, que corresponde a 1,83% do Produto Interno Bruto (PIB). Este resultado também é recorde histórico. Para o mês de agosto, Altamir previu um superávit em transações correntes de US$ 1,4 bilhão.Balanço de pagamentosApesar do superávit das transações correntes, o balanço de pagamentos em julho registrou déficit de US$ 5,009 bilhões. Isso porque o balanço de pagamentos, que é o registro contábil de todas as transações de um país com outros países do mundo, é formado pelo saldo das transações correntes mais a balança de capitais - representada pelo capital das firmas estrangeiras que ingressam no País, o capital estrangeiro que ingressa sob a forma de empréstimos, os empréstimos do FMI etc.Só no mês de julho, o governo efetuou uma antecipação de pagamentos ao FMI no valor de US$ 5 bilhões e gastou US$ 1,397 bilhão com o pagamento de juros. No total, a conta de capital e financeira apresentou déficit de US$ 7,080 bilhões, de acordo com dados do BC. No ano, a conta de capital e financeira acumula um déficit de US$ 2,479 bilhões.PerspectivasO Banco Central reduziu a previsão de superávit de transações correntes de US$ 4,8 bilhões para US$ 4 bilhões no ano, o que equivale a 0,54% do PIB. O BC também reviu a previsão das reservas brutas em 2005, de US$ 56,406 bilhões para US$ 56,112 bilhões, segundo dados divulgados pelo BC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.