Saldo de crédito sobe, mas caem concessões, aponta pesquisa

Pesquisa da Consultoria Partner indica um crescimento de 3,3% no saldo do crédito ao consumidor em fevereiro, na comparação com o mês de janeiro. O volume total de crédito alcançou R$ 119,6 bilhões. Na comparação com fevereiro de 2004, o saldo subiu de 25,6%. Apesar do saldo maior, as novas concessões caíram 3,5% em fevereiro, o que a Partner atribuiu ao menor número de dias úteis do mês em relação a janeiro. Na comparação anual, as novas concessões aumentaram 17,4%.O sócio-diretor da Partner, Álvaro Musa, discorda da interpretação de que o recuo de novas concessões em fevereiro seja um indicador de retração no mercado de crédito. "O decréscimo nos novos empréstimos realizados em fevereiro, em relação a janeiro, é puramente sazonal e foi muito inferior ao decréscimo apresentado no mesmo período de 2004, que foi 7,6%", disse Musa. Segundo ele, se o mês de fevereiro tivesse o mesmo número de dias úteis que janeiro, o total de novos empréstimos teria superado 13%, na comparação com o mês de janeiro.Ao se comparar, as concessões somadas feitas no 1º bimestre deste ano (R$ 64,7 milhões) com as do mesmo período de 2004 (R$ 56,4 bilhões), a Partner constatou um crescimento de 14,7%, em valores deflacionados, o que reforça a tendência de expansão.Avaliação por segmentoHouve queda nas novas concessões em todos os segmentos de crédito em fevereiro, quando comparados com as feitas em janeiro. O crédito para a compra de veículos teve recuo de 11,2%, ficando atrás apenas de "aquisição de outros bens" que caiu 15,6%. O crédito pessoal recuou 3,5%. Na comparação anual, entretanto, todos os segmentos tiveram expansão, sendo o mais expressivo o de crédito pessoal que aumentou 37%. Em seguida, vieram as operações com cartão de crédito, com alta de 31,7%.Na análise do saldo das operações, a Partner destacou as operações de cartão de crédito que teve alta mensal de 6,4% e anual, de 28,8%. Melhor desempenho só o do crédito pessoal que avançou 4,3% em fevereiro ante janeiro e 38,4%, no ano.Taxa de jurosEm fevereiro, as taxas de juros voltaram a subir, com alta média de 0,5 ponto porcentual, atingindo 63,9% ao ano. Segundo a consultoria, as linhas de "cheque especial" e de "crédito pessoal" foram as que mais subiram, com altas respectivamente de 1,7 ponto porcentual e 0,7 ponto porcentual.A Partner comparou a relação entre o comportamento das taxas de juros nas operações de crédito e a Selic entre julho de 2000 a fevereiro deste ano e constatou que a taxa média ao consumidor não acompanhou essa alta."Em janeiro de 2001, por exemplo, a Selic era de 15,25%, passando para 18,75% em fevereiro deste ano, um aumento de 23%. A taxa média cobrada do consumidor, por sua vez, era de 63,6% em janeiro de 2001, passando para 64%, no mês passado, uma alta de apenas 0,6%", afirma a consultoria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.