Saldo em conta corrente do País fica abaixo do esperado em agosto

O saldo da conta corrente em agosto ficou positivo em US$ 822 milhões, segundo informou hoje o Departamento Econômico do Banco Central. O número ficou abaixo das estimativas de analistas consultados pela Agência Estado, que previam superávit entre US$ 1,2 bilhão e US$ 1,7 bilhão. Em julho, o superávit em conta corrente havia sido de US$ 2,592 bilhões. O resultado de agosto do ano passado tinha sido positivo de US$ 1,751 bilhão. O saldo da conta corrente é o resultado da balança comercial (exportações - importações), a balança de serviços (Fretes pagos e recebidos de navios estrangeiros, juros de empréstimos estrangeiros, lucros remetidos e recebidos do exterior, etc.) e as transferências unilaterais (donativos). Esta conta, somada à balança de capitais - representada pelo capital das firmas estrangeiras que ingressam no País, o capital estrangeiro que ingressa sob a forma de empréstimos, os empréstimos do FMI, etc.) - resulta no total do balanço de pagamentos, que é o registro contábil de todas as transações de um país com outros países do mundo.O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, destacou que a frustração em relação ao saldo da conta corrente do Brasil ocorreu em função das remessas de lucros e dividendos de agosto terem ficado em um patamar acima do esperado, em US$ 1,087 bilhão. Ele disse que o crescimento das remessas é uma conseqüência do aumento da rentabilidade das empresas e também resulta da valorização do real frente ao dólar. De acordo com ele essa valorização torna mais atrativa a realização das remessas. Valores acumuladosNo período de janeiro a agosto deste ano, o superávit em conta corrente acumulado foi de US$ 8,698 bilhões, valor que corresponde a 1,77% do PIB. Em igual período do ano passado, o superávit em conta corrente estava acumulado em US$ 7,970 bilhões, que equivaliam a 2,0% do PIB.No período de 12 meses até agosto, o superávit em conta corrente está acumulado em US$ 12,465 bilhões, o que corresponde a 1,78% do PIB. Esse valor de superávit em conta corrente acumulado em 12 meses é o menor desde fevereiro deste ano, quando o superávit estava em US$ 11,797 bilhões. Na relação com o PIB, o resultado em 12 meses até agosto é o menor desde o de 1,72% de setembro do ano passado.Balanço de pagamentos O BC também informou que em agosto o balanço de pagamentos teve um déficit de US$ 48 milhões. No período de janeiro a agosto, o balanço de pagamentos ainda tem um superávit acumulado de US$ 4,575 bilhões. A conta de capital e financeira, de acordo com o BC, foi negativa em US$ 1,282 bilhões em agosto. No período de janeiro a agosto, a conta de capital e financeira está deficitária em US$ 3,761 bilhões.PerspectivasPara setembro o chefe do Depec acredita que será possível alcançar um superávit em conta corrente da ordem de US$ 2,5 bilhões. Este resultado, segundo Lopes, será possível porque as remessas de lucros e dividendos estão acomodadas e também porque não há concentração forte de pagamento de juros externos.Para o superávit acumulado no ano em conta corrente, o BC elevou sua projeção de US$ 4 bilhões para US$ 9,4 bilhões. A nova projeção corresponde a 1,26% do PIB. A projeção anterior equivalia a 0,54% do PIB. Esta mudança veio impulsionada por um aumento da previsão do saldo da balança comercial para este ano, de US$ 30 bilhões para US$ 38 bilhões. A projeção do BC para as exportações foi elevada, ao mesmo tempo, de US$ 108 bilhões para US$ 114 bilhões. A estimativa do BC para as importações, em contrapartida, caiu de US$ 78 bilhões para US$ 76 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.