Lee Jin-Man/AP
Lee Jin-Man/AP

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Samsung confirma primeira queda no lucro anual desde 2011

Fabricante sul-coreana perdeu participação de mercado por três trimestres consecutivos no ano passado

Reuters

09 de janeiro de 2015 | 02h02

A coreana Samsung Electronics, líder mundial em smartphones, confirmou ontem as expectativas para sua primeira queda no lucro anual desde 2011. O resultado veio ruim mesmo com uma retomada no quarto trimestre ter sinalizado que os ganhos podem ter se estabilizado no curto prazo.

A gigante de tecnologia perdeu participação de mercado por três trimestres consecutivos até o período de julho a setembro. Analistas dizem que a tendência provavelmente deve ter continuado de outubro a dezembro graças à concorrência dos novos iPhones, da Apple, e de rivais chinesas de custo mais baixo, como a Xiaomi.

Ainda assim, as expectativas de uma demanda saudável por chips de memória e melhorias no negócio móvel, na esteira de novos smartphones nas faixas média e baixa de preço, estão alimentando esperanças de que a Samsung tenha finalmente estancado o sangramento no lucro trimestral.

Reviravolta. "Eu acho que a empresa vai mostrar uma reviravolta", disse o analista Lee Do-hoon, da CIMB, apontando para a perspectiva positiva para os negócios de fundição e de displays neste ano.

A Samsung afirmou que seu lucro operacional do quarto trimestre deve provavelmente ser de 5,2 trilhões de wons (US$ 4,74 bilhões), superando a previsão média de 5 trilhões de wons da Thomson Reuters, em um levantamento que ouviu 44 analistas.

A perspectiva significa que o lucro da companhia em 2014 provavelmente será de 25 trilhões de wons, o mais fraco em três anos. Ainda assim, o resultado do último trimestre deve marcar uma recuperação ante o lucro de 4,1 trilhões de wons do terceiro trimestre, que foi o desempenho trimestral mais fraco da empresa em mais de três anos. A Samsung deve divulgar seus resultados anuais em torno do final de janeiro.

"Havia preocupação com relação à divisão de celulares mas parece que a recente fraqueza do won perante o dólar e o impacto do Galaxy Note 4 ajudaram", comentou o analista da HMC Investment Greg Roh, em referência às fortes vendas do último dispositivo móvel de destaque da empresa.

Vários analistas acreditam que a divisão de semicondutores da empresa pode ter tido melhor desempenho que a de celulares. A participação da divisão de celulares nos lucros gerais caiu de 68%, em 2013, para 44%, entre julho e setembro de 2014.

Tudo o que sabemos sobre:
Samsungcelularsmartphone

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.