Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Samsung e LG desistiram de novas fábricas no Brasil

Empresas anunciaramprojetos no interior deSP, mas voltaram atrásà medida que omercado se desacelerou

O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2015 | 02h02

As gigantes coreanas Samsung e LG, que continuam a importar produtos para o País, chegaram a anunciar novas fábricas dedicadas à linha branca no interior de São Paulo em 2011, mas desistiram dos projetos no ano seguinte. A unidade da LG ficaria em Paulínia, enquanto a da Samsung estava prevista para Limeira. A fábrica de Paulínia, por exemplo, exigiria um investimento de até R$ 1 bilhão, segundo fontes de mercado.

A LG afirma que o projeto foi cancelado, enquanto a Samsung diz que a fábrica de linha branca no Brasil ainda não é totalmente carta fora do baralho. "O projeto de Limeira foi engavetado por questões estratégicas e mercadológicas, mas continua em análise", disse o diretor de produtos para o lar da Samsung, Adelson Coelho.

O executivo lembra, porém, que a fábrica de ar condicionado para os mercados corporativo e doméstico da Samsung - que, dentro da empresa, são classificados como produtos para o lar, assim como os refrigeradores e máquinas de lava e seca - emprega 6 mil pessoas em Manaus. A unidade foi inaugurada em 2010.

Entre os projetos de fábricas voltadas à linha branca que saíram do papel na mesma época em que Samsung e LG desistiram de seus projetos está a unidade da japonesa Panasonic em Extrema (MG), que foi inaugurada em setembro de 2012.

A resistência das multinacionais em se comprometer com investimentos pesados na produção de eletrodomésticos em território brasileiro desde então tem razão de ser. Depois de vários anos de forte crescimento - em 2012, a expansão do mercado de linha branca foi de 18% -, o mercado teve retração nos últimos dois anos.

Em 2014, além de enfrentar a desaceleração da economia como um todo, o consumo de eletrodomésticos foi afetado negativamente pela Copa do Mundo. A Whirlpool, líder em vendas no País e dona das marcas Consul e Brastemp, deu férias coletivas a 5 mil funcionários em agosto do ano passado para readequar os estoques, que estavam altos depois do mundial de futebol.

Cenário difícil. Apesar de o setor ainda ter o benefício da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que já foi retirado para os automóveis, o presidente da Associação Brasileira de Fabricantes de Eletrodomésticos e Eletrônicos (Eletros), Lourival Kiçula, prevê um ano difícil em 2015.

A expectativa é que o setor consiga no máximo repetir as vendas do ano passado. "O cliente quer substituir produtos, mas o medo da perda do emprego acaba reduzindo as vendas, que geralmente são feitas a prazo", pondera Kiçula. "Acho também que, com a redução de IPI (nos últimos anos), houve uma antecipação de compras."

Tudo o que sabemos sobre:
SamsungLGTecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.