Samsung lança celular e tablet com Windows para enfrentar Apple

Companhia sul-coreana segue na briga com a Apple pelo mercado dos aparelhos móveis 

Renan Carreira, da Agência Estado,

30 de agosto de 2012 | 15h21

SEUL - Após fracassar no objetivo de obter participação significativa de mercado com tablets rodando o sistema operacional Android, do Google, a Samsung agora está apostando em novos dispositivos baseados no Windows, da Microsoft. A companhia sul-coreana segue na briga com a Apple pelo mercado dos aparelhos móveis.

Depois de uma grande derrota nos Estados Unidos na semana passada, quando foi condenada por um júri a pagar mais de US$ 1 bilhão à Apple por copiar os designs e violar as patentes de software da empresa americana, a Samsung apresentou hoje sua linha de produtos para o segundo semestre deste ano em uma feira em Berlim, na Alemanha.

A companhia sul-coreana anunciou sua linha de produtos ATIV, entre eles um tablet de 10,1 polegadas com o sistema Windows RT e um smartphone de 4,8 polegadas rodando o sistema Windows Phone 8. Os novos produtos serão lançados mais tarde neste ano. A Samsung não divulgou as datas de lançamento nem o preço.

No passado, a Samsung confiou pesadamente em dispositivos baseados no Android para ganhar participação de mercado contra a Apple, mas o veredicto da última sexta-feira nos EUA fez a empresa rever seus planos. A companhia sul-coreana disse, em comunicado, que está "comprometida em oferecer mais opções baseadas na plataforma do Windows 8 para os consumidores".

Analistas, no entanto, estão céticos sobre se a Samsung vai ser capaz de ganhar mais mercado com o software da Microsoft. As vendas de celulares com Windows já desapontaram a Nokia, que recebe pagamentos regulares da Microsoft para desenvolver celulares que usam seu software.

A Samsung também apresentou um sucessor para seu Galaxy Note que roda Android e combina as funções de um smartphone com um tablet em um aparelho. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
SamsungWindowsTabletApple

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.