finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Samsung vende 800 mil 'relógios inteligentes' em 2 meses

Resultado trouxe alívio ao mercado, que previa um desempenho bastante fraco para o Galaxy Gear nas lojas

O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2013 | 02h18

SEUL - A coreana Samsung Electronics divulgou ontem que o Galaxy Gear se tornou o relógio inteligente mais popular do mundo, com 800 mil unidades vendidas desde a sua estreia, há dois meses. Os números desmentem as especulações de que o aparelho pudesse ser um fracasso de vendas devido à falta de recursos interessantes.

O Galaxy Gear tem câmera, faz ligações, mede passadas e age como "controle remoto" de um smartphone ou tablet, avisando sobre novas mensagens no Facebook e enviando SMS.

A Samsung disse que as vendas do Galaxy Gear superaram as próprias expectativas da fabricante e que vai expandir as promoções para o dispositivo de vestuário na temporada crucial de férias de fim de ano. 

A Samsung tem investido recursos de marketing no relógio inteligente, com muitas propagandas e colaborações em desfiles de moda para aproveitar a liderança no mercado de computadores "vestíveis", depois que o dispositivo teve um começo difícil por ter sido seriamente criticado.

O conhecido crítico de tecnologia David Pogue, que recentemente deixou o New York Times para iniciar um novo site no Yahoo, descreveu o design do Galaxy Gear como "inconsistente e frustrante" e disse não recomendar a ninguém comprá-lo.

O produto marca a mais recente tentativa da Samsung de provar que é mais do que apenas um seguidor rápido em inovação da Apple, que estaria preparando um relógio inteligente chamado iWatch para lançar no mercado no ano que vem.

A Nokia também estaria preparando sua versão, enquanto a Sony já lançou dois modelos no mercado.

O Galaxy Gear foi um marco da categoria de eletrônicos compactos, ainda incipiente, mas que deve movimentar US$ 4,6 bilhões só este ano, de acordo com um estudo divulgado pela consultoria britânica Visiongain. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.