Samuel Klein brigou para revisar fusão com Ponto Frio

Samuel Klein brigou para revisar fusão com Ponto Frio

Conhecido como 'Rei do Varejo', empresário morreu nesta quinta-feira, 20, vítima de insuficiência respiratória

O Estado de S. Paulo

21 de novembro de 2014 | 07h29

O papel de Samuel Klein não foi apenas decisivo na construção da Casas Bahia, mas também na venda da empresa. Aos 86 anos, o patriarca da família Klein sentou-se à mesa de negociações com o empresário Abilio Diniz para exigir a revisão do contrato que criou a Viavarejo, uma subsidiária do Grupo Pão de Açúcar que nasceu da fusão de Casas Bahia e Ponto Frio.

O negócio foi fechado por seu filho, Michael Klein, em dezembro de 2009, com o seu aval. “O Ponto Frio sempre foi o sonho dele, mas ficaríamos descapitalizados se tentássemos comprar a empresa. Ele achou que era melhor ter um sócio para administrar uma empresa de 1.015 lojas do que estar sozinho numa empresa de 500”, disse Michael ao Estado na época. 

Poucos meses após a assinatura do contrato, os Kleins se arrependeram do negócio e exigiram uma renegociação. O argumento deles era de que a Casas Bahia tinha sido subavaliada em cerca de R$ 2 bilhões. A briga esquentou depois que Samuel tomou a frente das negociações com Abilio, ao lado do filho Michael. A família Klein chegou a ameaçar desfazer o negócio e acionar o Pão de Açúcar em uma câmara de arbitragem. 

Os sócios chegaram a um novo acordo em julho de 2010. Abilio cedeu e os Kleins conseguiram que o Pão de Açúcar aportasse capital na empresa. Mas a briga estava longe do fim. O Grupo Pão de Açúcar passou a questionar a gestão da Viavarejo feita pelo neto de Samuel, Raphael Klein, então presidente da companhia. O impasse resultou na substituição de Raphael por um executivo de mercado em novembro de 2012, um movimento que estava previsto no contrato de 2010, mas que desagradou aos Kleins. 

A família partiu para nova investida na tentativa de renegociar os termos da fusão. Desta vez, eles tiveram de negociar com grupo francês Casino, que assumiu o controle do Pão de Açúcar em agosto de 2012. Os Kleins questionavam a avaliação do Ponto Frio na época da fusão, com base em laudos da KPMG. A alegação da família é de que o preço foi inflado e que as fatias de cada sócio no negócio deveriam ser revisadas.

Eles chegaram a procurar bancos de investimento para tentar encontrar formas de recomprar o controle da Casas Bahia. O plano não avançou e a solução foi justamente o contrário. A família Klein vendeu cerca de metade de suas ações na Viavarejo na Bolsa de Valores e teve sua participação na empresa reduzida de 47% para 27%, em uma operação que movimentou R$ 2,8 bilhões.

Os herdeiros de Samuel partiram para outros negócios, como imóveis, transporte aéreo, moda e tecnologia. Em entrevista ao Estado no fim de 2012, Raphael disse que a venda do controle da Casas Bahia visava a perpetuar a empresa. “Meu avô costumava dizer que o que nos trouxe até aqui não é necessariamente o que nos levará ao futuro. O desafio agora está com os executivos. Eles terão de se provar competentes para tocar a Viavarejo sem a família Klein.” 

Rusgas. Na construção da Casas Bahia, Samuel Klein vivenciou outras rusgas com redes rivais. Nos anos 90, ficou conhecido um episódio em que ele, em uma roda de varejistas, teria falado para os concorrentes que colocassem preço em suas redes para que ele pudesse fazer uma oferta. 

Segundo varejistas que presenciaram a cena, a fundadora do Magazine Luiza, Luiza Trajano Donato, não gostou da provocação e teria retrucado que era para Klein colocar preço em suas lojas, pois ela não venderia de forma alguma a sua empresa para ele. Nos anos 2000, quando tanto a Casas Bahia como o Magazine Luiza iniciaram uma expansão desenfreada, adquirindo empresas menores, as duas redes rivalizaram em negociações de compra.

Outro episódio de hiperconcorrência ocorreu com a Lojas Colombo. Coincidência ou não, quando a empresa de Klein decidiu atuar no Rio Grande do Sul, abriu uma loja justamente na rua onde morava Adelino Colombo, fundador da rede gaúcha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.