Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Sanções da UE à Rússia incluem restrição ao crédito

As novas sanções econômicas da União Europeias contra a Rússia, que devem ser implementadas nesta semana, vão expandir o número de empresas russas sem acesso a financiamento nos mercados de capitais do bloco e incluir três grandes estatais da área de petróleo, de acordo com documentos vistos pelo Wall Street Journal.

AE-DOW JONES, Estadão Conteúdo

07 de setembro de 2014 | 19h41

Numa expansão das sanções que haviam sido anunciadas no fim de julho por causa do apoio russo aos rebeldes separatistas da Ucrânia, as três empresas - Gazpromneft, subsidiária da OAO Gazprom para as áreas de produção e refino de petróleo, Transneft, da área de transporte de petróleo, e a produtora Rosneft - serão proibidas de levantar recursos por prazos de mais de 30 dias no sistema financeiro europeu.

Cinco bancos russos, entre eles o Sberbank e o VTB Bank, já impedidos de levantar recursos por mais de 90 dias, também terão o prazo máximo para créditos reduzido a 30 dias.

As novas sanções foram aprovadas na última sexta-feira e devem ser implementadas nesta terça.

Três empresas que produzem armamentos, Oboronprom, United Aircraft Corp. e Uralvagonzavod, também estarão impedidas de obter crédito na UE.

As novas sanções também proíbem novos contratos para serviços necessários à exploração e produção de petróleo em águas profundas, no Ártico e em campos de areia de xisto.

As restrições incluem a proibição de vendas, a partir da UE, das chamadas tecnologia de uso duplo (civil e militar) para nove companhias russas que prestam serviço às forças armadas da Rússia; a lista inclui a empresa de eletrônica e óptica JSC Sirius, a companhia de engenharia mecânica OJSA Stankoinstrument e a fabricante de pequenas armas JSC Kalashnikov.

Os documentos vistos pelo Journal mostram que a União Europeia quer prejudicar as companhias russas de petróleo, mas deixar incólumes as empresas envolvidas na produção e nas exportações de gás natural, que são críticas para o abastecimento de energia de alguns países europeus. As sanções também incluem exceções para as exportações europeias destinadas às indústrias espacial e nuclear da Rússia. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiasançõesUniâo Europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.