Foto: NILTON FUKUDA/AE
Foto: NILTON FUKUDA/AE

Saneamento deve ter R$ 1,5 bi do BNDES

Valor é o dobro do que foi liberado para o setor no ano passado; fim da recessão e consolidação de empresas privadas impulsionam demanda

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

13 Junho 2018 | 04h00

RIO- O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) espera dobrar o crédito para saneamento básico, incluindo coleta de lixo, neste ano. Na estimativa do diretor de Governos e Infraestrutura, Marcos Ferrari, o banco de fomento deverá desembolsar R$ 1,5 bilhão até o fim de 2018, ante os R$ 725 milhões liberados ano passado. A contratação de novos empréstimos deverá ficar entre R$ 3 bilhões e R$ 4 bilhões, segundo a chefe do Departamento de Saneamento Ambiental, Laura Bedeschi.

+ Municípios de São Paulo lideram ranking nacional de saneamento básico

A demanda será impulsionada pela saída da recessão, pelo término de movimento de consolidação das empresas privadas que controlam concessionárias de água e esgoto e pelo Programa Avançar, sucessor do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), cuja segunda fase foi lançada em novembro.

+ BNDES oferecerá empréstimos para instalação de placas de energia solar em casa

O Avançar reúne investimentos da União, de estatais e financiamentos de bancos públicos, num total de R$ 130,97 bilhões até o fim deste ano. Segundo Ferrari, a participação do BNDES nos investimentos em saneamento da primeira fase do Avançar, lançada em junho passado, foi pequena. Para a segunda fase, o BNDES mudou condições, de forma a atrair maior demanda. O empréstimo poderá chegar a 95% do investimento, ante os 80% da primeira fase.

+ FGTS aprova crédito suplementar para obras inacabadas de Estados e prefeituras

O Avançar seleciona projetos de investimento em infraestrutura de entes públicos, municipais ou estaduais. A submissão de projetos para a segunda fase vai até a próxima segunda-feira.

Demanda. Ferrari disse que há muita demanda por investimentos. “Nos últimos dez anos, a média de investimentos foi de R$ 10 bilhões a R$ 11 bilhões por ano. A necessidade é de R$ 20 bilhões por ano”, afirmou o diretor, citando dados do Plano Nacional de Saneamento Básico.

+ Empresas buscam alternativas a BNDES para financiar projetos em infraestrutura

O País tinha 20,6 milhões de domicílios sem rede de esgoto e 2 milhões de residências sem água encanada em 2016, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra Domicílios (Pnad) Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Apenas 65,9% dos lares tinha escoamento do esgoto através da rede geral, rede pluvial ou de fossa ligada à rede.

Companhias estaduais, como Sabesp (SP), Cedae (RJ), Copasa (MG) e Sanepar (PR), são as principais investidoras em saneamento no País, pois prestam o serviço de água e esgoto em 70% dos municípios, segundo a Abcon, entidade que representa o setor privado de saneamento. Só 6% das cidades têm concessionárias privadas de saneamento, segundo Alexandre Lopes, vice-presidente da entidade.

O financiamento é fundamental para o setor, disse Lopes, porque os investimentos são pesados e os contratos de concessão, longos – podem chegar aos 30 anos. Caixa e BNDES são as fontes tradicionais de financiamento, mas opções como a emissão de títulos (debêntures de infraestrutura, com incentivo fiscal) têm ganhado espaço.

A disponibilidade de recursos aumentou com a consolidação do setor privado. A canadense Brookfield comprou a Odebrecht Ambiental, por R$ 2,9 bilhões, e adotou o nome de BRK. A CAB Ambiental, que era da Galvão Engenharia, foi vendida para a IG4 Capital e passou a se chamar Iguá. A lista das principais empresas inclui ainda a Aegea (do grupo Equipav, em sociedade com o fundo soberano de Cingapura GIC e com o IFC, subsidiária do Banco Mundial) e a Águas do Brasil. Entre as grandes, a última é a única que ainda tem como sócio empreiteiras citadas na Lava Jato, o grupo Carioca Christiani Nielsen.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.