Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Sanofi acerta a compra da Medley

Carta de intenções já foi assinada; conclusão depende de aval da matriz

Patrícia Cançado, O Estadao de S.Paulo

27 de março de 2009 | 00h00

O grupo farmacêutico francês Sanofi-Aventis assinou carta de intenções para comprar o laboratório brasileiro Medley. A operação é avaliada em R$ 1,5 bilhão, mas apenas R$ 500 milhões irão para o bolso dos acionistas, segundo fontes próximas às negociações. Controlada pelo empresário Alexandre Negrão, a Medley acumula uma dívida de cerca de R$ 1 bilhão. Contratualmente, o negócio tem de ser fechado nos próximos quinze dias. A sua conclusão depende, porém, de uma autorização da matriz. Procuradas, Sanofi e Medley não quiseram comentar o assunto.Se for concretizada, a venda pode representar a salvação para a Medley, que até 2007 vinha apresentando crescimento constante e viu esse ritmo se interromper em 2008, segundo fontes do mercado. Um dos maiores laboratórios farmacêuticos do País, que disputa a liderança na venda de genéricos, a Medley vive uma situação financeira complicada. Boa parte da sua dívida é de curto prazo. Com a crise, que secou o crédito nos bancos médios, principais financiadores do laboratório, a situação piorou muito. "O setor enxerga que a Medley chegou ao limite. Se não conseguir vender para a Sanofi, a saída pode ser uma recuperação judicial", diz uma fonte. Fontes do mercado dizem que a empresa tem tido dificuldades para pagar fornecedores e não produz medicamentos há alguns meses. Isso porque seu estoque nas distribuidoras corresponde a vários meses de produção. "Ela começou a vender mais como forma de aumentar o faturamento e assim conseguir mais crédito. Para isso, dava grandes descontos e prazos de 200 a 240 dias", explica um executivo do setor.No fim do ano passado, deu férias coletivas aos funcionários da fábrica. Eles voltaram após o carnaval, mas a linha de produção ainda estaria parada, de acordo com pessoas que acompanham a empresa. O laboratório também vem perdendo profissionais de primeira linha nos últimos meses. MERCADOAté o fim do ano passado, o laboratório brasileiro Aché ainda estava no páreo para comprar a Medley. Teria desistido, segundo fontes, porque o acionista da Medley não concordou em abater a dívida do valor total. "Os acionistas do Aché não estavam dispostos a pagar o valor pedido", disse a fonte. Embora seja líder na venda de medicamentos no País - com faturamento de 601 milhões em 2008 (cerca de R$ 1,8 bilhão) -, os franceses da Sanofi ainda têm uma atuação tímida no concorrido mercado de genéricos, com a marca Winthrop. A Medley é considerada uma marca forte e respeitada e tem uma das fábricas mais modernas de genéricos do Brasil.No mundo, o grupo francês é um gigante com receitas de 27 bilhões (cerca de R$ 82 bilhões) e cerca de 100 mil funcionários. Nos seus relatórios financeiros, tem destacado a importância de Brasil, China, Rússia, Índia e México, que ela considera "mercados do amanhã". Juntos, esses países crescem acima de dois dígitos e já representam 23,7% do faturamento. O Brasil é o maior mercado da Sanofi entre os emergentes. Mas, embora viesse crescendo acima de 10%, no ano passado avançou somente 1,4%.NÚMEROSR$ 1,5 bilhãoé o valor da operação, mas apenas R$ 500 milhões devem ficar com os acionistasR$ 1 bilhãoé o valor estimado da dívida da MedleyR$ 1,8 bilhãofoi o faturamento da Sanofi no Brasil no ano passado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.