Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Santa Catarina tem botijão a R$ 160, o mais caro do Brasil

O mais barato foi encontrado na Bahia e no Rio de Janeiro, a R$ 88

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2022 | 16h40

O levantamento semanal da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) mostra que o botijão de gás de 13 quilos mais caro foi encontrado em Santa Catarina, ao preço de R$ 160, e os mais baratos foram encontrados na Bahia e no Rio de Janeiro, a R$ 88. 

O levantamento é referente ao período entre o dia 1º e 7 de maio, em que 3,9 mil postos foram consultados. 

A média nacional ficou em R$ 113,11, pouco abaixo do recorde histórico, em abril, que foi de R$ 113,48 - representando 9,4% do salário mínimo, segundo cálculos do Observatório Social da Petrobras (OSP), organização ligada à Federação Nacional dos Petroleiros (FNP)

Antes, o recorde havia sido batido em março, quando o gás de cozinha já tinha alcançado o maior preço médio real da série histórica, sendo vendido a R$ 109,31. Antes disso, o recorde tinha sido registrado em novembro de 2021, com o preço médio de R$ 106,50.

Na última sexta, a Petrobras anunciou uma redução no preço do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), que é usado com gás de cozinha. “Acompanhando a evolução dos preços internacionais e da taxa de câmbio, que se estabilizaram em patamar inferior para o GLP, e coerente com a sua política de preços, a Petrobras reduzirá seus preços de venda às distribuidoras. A partir de 9/4, o preço médio de venda de GLP da Petrobras para as distribuidoras passará de R$ 4,48 para R$ 4,23 por kg, equivalente a R$ 54,94 por 13kg, refletindo redução média de R$ 3,27 por 13 kg”, informou a estatal.

Na mesma nota, a Petrobras reiterou seu compromisso com a prática de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado, ao mesmo tempo em que evita o repasse imediato para os preços internos, das volatilidades externas e da taxa de câmbio causadas por eventos conjunturais./ COM INFORMAÇÕES DA AGÊNCIA BRASIL 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.