Epitácio Pessoa/Estadão
Epitácio Pessoa/Estadão

Santander compra empresa de trade e comércio exterior de PMEs Ebury por 400 milhões de euros

Santander atende a mais de quatro milhões de clientes PMEs no mundo, dos quais mais de 200 mil realizam negócios internacionais

O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2019 | 13h24

O Banco Santander anunciou nesta segunda, 4, a compra da britânica Ebury, empresa facilitadora de trade e comércio exterior para empresas de pequeno e médio porte, por 350 milhões de libras esterlinas (aproximadamente 400 milhões de euros). A iniciativa faz parte da estratégia da instituição de crescer por novos empreendimentos. 

Segundo o banco, a iniciativa vai reforçar os serviços de comércio global, consolidando a posição do Santander na oferta de serviços para pequenas e médias empresas que mantêm negócios no exterior ou estão interessadas em internacionalizar suas atividades, seja na Europa, nas Américas ou, em breve, na Ásia. O Santander atende a mais de quatro milhões de clientes PMEs no mundo, dos quais mais de 200 mil realizam negócios internacionais.

A transação prevê a aquisição de 50,1% da Ebury pelo valor de 350 milhões de libra esterlinas, do qual 70 milhões de libras representarão novas ações primárias, como apoio para o plano da Ebury de ingressar em novos mercados na América Latina e na Ásia. O banco espera um retorno de 25% do capital investido em 2024. Os atuais investidores na Ebury, inclusive seus cofundadores e diretoria, irão reinvestir na transação e o staff executivo atual continuará à frente da expansão da Ebury.

Com operações em 19 países e 140 moedas, a Ebury cresce a um ritmo médio anual de 50% nos últimos três anos. Sediada no Reino Unido, a companhia opera em uma plataforma de distribuição baseada em um modelo de negócios digital. Tem 900 funcionários em 22 escritórios de 19 países, a Ebury levantou US$ 134 milhões desde sua criação, em 2009. No ano passado, a empresa processou £ 16,7 bilhões em pagamentos para 43 mil clientes.

Sérgio Rial, CEO do Santander Brasil e executivo responsável, no Grupo Santander, pelo acompanhamento da atividade de Global Trade Services, presidirá o Conselho de Administração da Ebury, e trabalhará em estreita colaboração com a Ebury, liderada por Juan Lobato e Salvador García.

"As pequenas e médias empresas são um importante mecanismo de crescimento em todo o mundo, porque criam novos postos de trabalho e contribuem com até 60% do emprego total e até 40% do PIB nacional nas economias emergentes", diz a presidente executiva do Grupo do Banco Santander, Ana Botín, em comunicado distribuído à imprensa. "As PMEs estão se tornando cada vez mais globais e o Santander é o banco mais bem posicionado para ajudá-las a acessar financiamento de comércio global. A parceria do Banco com a Ebury proporcionará às PMEs produtos e serviços mais rápidos e eficientes, acessíveis antes apenas para grandes companhias."

"A combinação de um grande banco com uma fintech ágil significa que podemos oferecer aos nossos clientes o melhor dos dois mundos. Eles podem ser beneficiados pela nossa tecnologia e segurança de um serviço de alta qualidade, sabendo que são parceiros de uma das instituições financeira mais importantes do mundo", afirmam Juan Lobato e Salvador García, cofundadores da Ebury, no mesmo comunicado. "O novo capital do Santander e dos nossos acionista atuais nos permitirá investir em novas formas de atender PMEs que estão fazendo negócios internacionais, bem como dará continuidade ao crescimento da nossa empresa, mantendo nossa cultura empreendedora."

Desafio. Para Rial, o Brasil é um dos mercados com maior potencial de internacionalização de suas empresas de pequeno e médio porte, que tradicionalmente lideram os processos de retomada do crescimento econômico. "Será um desafio formidável liderar a partir daqui o processo de expansão de uma empresa como a Ebury, que trará um diferencial inquestionável para a nossa oferta de serviços de comércio global”, afirma Sérgio Rial, o novo presidente do conselho de administração da Ebury.

A Ebury continuará a operar como uma unidade independente, coligada ao Santander, nos moldes da Getnet, que começa pelo México a expansão internacional, com planos de chegar a toda América Latina e Europa. O Santander trabalha com 1,2 milhão de comerciantes no mundo todo, que movimentam 150 bilhões de euros ao ano, fazendo com que o Banco seja um dos 10 principais adquirentes do mundo em volume.

Para facilitar o crescimento e internacionalização das PMEs, o Santander lançou, no começo deste mês e em conjunto com outros bancos internacionais, a Trade Club Alliance, rede global exclusiva que tem como meta tornar o comércio internacional mais simples ao interligar as empresas por meio de uma plataforma digital. 

Tudo o que sabemos sobre:
SantanderEbury

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.