Santander diz que não há como reverter desoneração

O economista do Banco Santander Cristiano Souza disse nesta terça-feira, 27, que a decisão de tornar permanente a desoneração da folha de pagamento já era algo esperado pelo banco. "Diante do baixo crescimento da economia era uma coisa que não tinha como ser revertida", disse o economista.

FRANCISCO CARLOS DE ASSIS, Agencia Estado

27 de maio de 2014 | 20h21

A decisão de tornar a desoneração da folha de pagamento permanente foi anunciada no começo da noite pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, e beneficia 56 setores. A renúncia fiscal decorrente desta decisão será de R$ 21,6 bilhões no decorrer deste ano. No ano passado ficou ao redor de R$ 20 bilhões.

O Santander trabalha com uma previsão de superávit primário consolidado (Tesouro, Banco Central, Previdência, mais estados, municípios e estatais federais, exceto Petrobras e Eletrobras) de 1,8% neste ano e de 1,9% em 2015.

Tudo o que sabemos sobre:
desoneraçãoSantander

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.