finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Santander e Zurich criam holding de seguros de US$ 3,3 bi

Empresas vão unir forças para aumentar oferta de apólices em cinco países da América Latina, incluindo o Brasil

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2011 | 00h00

O banco espanhol Santander e o grupo suíço Zurich anunciaram ontem que vão unir forças para criar uma nova holding de seguros para o mercado latino-americano, em um negócio estimado em US$ 3,275 bilhões. Para formar a empresa, que terá sede na Espanha, o Santander vai comprar as próprias operações de seguros em cinco mercados na América Latina - Brasil, México, Chile, Argentina e Uruguai -, repassando 51% do negócio à Zurich por US$ 1,67 bilhão.

O principal mercado da nova companhia será o Brasil. Do valor total estimado para a compra das cinco operações - US$ 3,275 bilhões -, quase US$ 1,9 bilhão (ou R$ 3,167 bilhões) será gasto na aquisição do braço de seguros do Santander Brasil. Isso quer dizer que quase 60% dos negócios dos países em questão estão concentrados no mercado brasileiro. Ao repassar a maior parte de suas operações de seguros para a nova holding, a subsidiária brasileira do banco espanhol deverá embolsar R$ 750 milhões - o equivalente à diferença entre o valor de avaliação dos ativos que serão vendidos e seu patrimônio líquido.

No Brasil, pelos termos da parceria, a Zurich ganhará o direito de distribuição da maior parte das operações de seguros do Santander por um período de 25 anos. A holding com sede em Madri responderá pelas áreas de vida, previdência e por uma série de novos tipos de apólice que serão introduzidas no mercado. O acordo com a Zurich deixa de fora as áreas de capitalização e de veículos, que continuarão sob a administração do Santander Brasil. Atualmente, no setor de seguros para automóveis, o banco brasileiro mantém acordos com a SulAmérica, a Marítima e a Tokio Marine - existe a possibilidade de que a Zurich venha a compor esse rol de parceiras, embora o tema não esteja contemplado no acordo.

"Ganha-ganha". De acordo com o diretor de seguros, previdência e capitalização do Santander Brasil, Gilberto Duarte de Abreu Filho, a operação é um caso de ganhos claros para ambos os lados. A aliança dá à Zurich acesso a todos os clientes do Santander e a uma rede de vendas composta por 5,6 mil agências na América Latina. Já o Santander lucra com a variedade de apólices e as ferramentas de comercialização oferecidas pela empresa suíça. "Estamos trazendo o melhor dos dois mundos. A Zurich é um dos maiores grupos seguradores do mundo, com presença em 170 países, e tem experiência além dos seguros elementares", diz.

O executivo afirma que a parceria vem para fortalecer a posição de ambas as companhias no mercado latino-americano. Na área de seguros de vida, as duas empresas passam a ocupar a terceira posição, com US$ 3,3 bilhões em prêmios distribuídos e 7,1% de participação no segmento, atrás somente de Bradesco (US$ 6,1 bilhões) e Itaú Unibanco (US$ 4,2 bilhões).

No cômputo geral do setor (em que são excluídos os seguros de vida), a nova companhia ficaria na sexta posição, no rastro de Mapfre, Liberty, Porto Seguro, Bradesco e Itaú Unibanco. Nesta conta, a holding Zurich-Santander aparece com 3% de participação de mercado, ante 9,9% da líder Mapfre. "A diferença é que, com os pontos fortes das duas empresas juntas, temos potencial para crescer nos dois negócios (vida e seguros gerais)", afirma Abreu Filho.

Combinadas, as operações de seguros da Zurich e do Santander na América Latina produziram prêmios brutos de US$ 3,9 bilhões em 2010. Segundo comunicado da Zurich, a expectativa de expansão para a região nos próximos anos é forte, especialmente em seguros de vida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.