finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Santander reduz taxa de juros para empresas

Banco diz que novo sistema de crédito, adotado há anos na Espanha, não tem vinculação com pressão do governo para baixar o custo do dinheiro

GABRIELA FORLIN, LEANDRO MODÉ , O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2012 | 03h07

O Santander vai reduzir as taxas de juros em algumas modalidades de crédito às empresas, mas negou que a medida esteja relacionada à pressão do governo sobre as instituições financeiras privadas.

O banco decidiu implantar no Brasil um modelo de gerente unificado, para sócios de empresas com faturamento anual de até R$ 1 milhão, que permite reduzir taxas em pacotes de serviço. Na prática, significa dizer que a mudança vale para clientes que tenham o mesmo gerente na administração da conta corrente da empresa (pessoa jurídica) e da pessoa física.

Com essa visão global do cliente, o banco acredita que é possível oferecer juros mais baixos, uma vez que o risco também cai. O sistema já funciona em vários países, em especial na Espanha.

O vice-presidente executivo do Santander, Pedro Coutinho, explicou que, com o novo serviço, o banco reforçará a gestão de risco e oferecerá maior acesso ao crédito e taxas mais competitivas aos empresários. As tarifas dos pacotes de serviços terão redução na migração para esse modelo de 50% a 100%.

No atendimento unificado, a taxa de giro de cartões, por exemplo, passa de um intervalo mínimo de 1,88% e máximo de 4,13% ao mês para mínima de 1,54% e máxima de 3,12% ao mês.

A taxa para desconto de duplicatas, que variava de 2,51% a 3,89% ao mês, cai para mínima de 1,99% e máxima de 2,57% ao mês. A taxa mínima para desconto de cheques diminui de 2,34% para 1,87% ao mês, enquanto a máxima, que era de 3,21% passa para 2,49% ao mês.

Por fim, a taxa de recebíveis de cartões, antes mínima de 2,54% e máxima de 3,27% ao mês, diminui para 1,5% e 2% ao mês, respectivamente.

A centralização das contas de pessoa física e pessoa jurídica permite ao gerente conhecer melhor o cliente, para apoiá-lo na gestão financeira do negócio e da vida pessoal, segundo o executivo. "No modelo tradicional, as informações ficam divididas entre gerentes e, às vezes, até bancos diferentes", afirma.

Em sua apresentação, Coutinho citou dados do Sebrae segundo os quais, atualmente, o mercado de Pequenas e Médias Empresas (conhecido pela sigla PME) corresponde a 20% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

Ainda segundo os dados citados por ele, cerca de 1,2 milhão de empreendimentos formais são criados anualmente - que geram, em média, seis empregos por empresa. Ele disse ainda que o novo serviço é uma continuidade no apoio às PME, prioridade do banco.

Sob pressão. O Santander é o segundo banco de varejo a anunciar reduções nas taxas de juros cobradas dos clientes - sejam empresas ou pessoas físicas. Na semana passada, o HSBC também diminuiu o custo do dinheiro para algumas modalidades de empréstimos, mas na área de pessoas físicas.

O governo vem pressionando, por meio do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, as instituições bancárias a baixar os juros e os spreads no País. Spread é a diferença entre o custo de captação e o dos empréstimos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.