Santander vê espaço para abrir novas agências no Brasil após ABN

Além da incorporação das cerca de 1,1mil agências do Banco Real, que será feita assim que o bancocentral holandês autorizar a separação da instituiçãofinanceira das operações do ABN Amro, o Santander tem planos deabrir novas agências no Brasil. De acordo com o presidente da instituição no país, JoséPaiva, o banco "vê a necessidade de abrir muito mais agênciasdo que tem hoje". Por isso, ele avalia que a fusão dasoperações do Santander e Real no país "será uma história decrescimento" e não de cortes. Ele não fez previsões de quantos pontos de atendimento oSantander deve abrir no Brasil este ano. Atualmente, o bancoespanhol tem cerca de 2.000 agências no país. Questionado sobre temores de atuais funcionários de queexistam demissões com a incorporação, em entrevista ajornalistas nesta terça-feira, o executivo afirmou: "não vejograndes problemas com relação a isso". Na sua avaliação, "aindahá espaço para crescer", reiterou. Neste momento, garantiu, nãohá nenhum plano de demissões em curso. No final de outubro, o presidente mundial do Santander,Emilio Botín, deve vir ao Brasil, disse Paiva. O objetivo seráanunciar planos e estratégias do banco para o país e ocronograma de incorporação do Real, que deve levar algo comotrês anos para ser finalizada. Após a autorização do banco central holandês, prevista paraagosto deste ano, o Santander também poderá promover a mudançano comando das operações brasileiras. O executivo FabioBarbosa, que presidia o Banco Real, foi anunciado como novopresidente em fevereiro, mas também depende dessa autorizaçãopara assumir o cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.