São Paulo é quinta metrópole mais barata, diz pesquisa

A desvalorização do real no ano passado e o desaquecimento da economia brasileira fizeram com que a cidade de São Paulo se tornasse a quinta metrópole mais barata do mundo, segundo um levantamento divulgado hoje pela consultoria britânica Economist Intelligence Unit (EIU). A capital paulista, ao lado de Mumbai (Índia), ocupa a 120ª posição no ranking Custo de Vida Mundial, que avaliou os custos de 125 cidades. São Paulo, que há um ano estava no 109º lugar, é apenas mais cara do que Teerã (a mais barata do mundo), Assunção, Harare e Manila. O Rio de Janeiro, que em 2002 também estava na 109ª posição, é a sétima cidade mais barata do planeta, ao lado de Nova Déli. Segundo a EIU, os problemas econômicos enfrentados pela América Latina fizeram com quase todas as cidades da região perdessem posições no ranking. A Cidade do México, na 56ª posição, é a mais cara da região, mas era a 15ª no ano passado. Santiago do Chile caiu do 106º lugar para o 111º e Montevidéu, do 85º para a 114ª posição. A exceção foi Buenos Aires que, após a forte crise no início de 2002, recuperou quatro posições e ocupa o 120º lugar. Tóquio continua sendo a cidade mais cara do mundo, seguida de Osaka Kobe, Oslo, Zurique, Hong Kong, Copenhague, Genebra, Paris, Reykjavik e Londres. O enfraquecimento do dólar, principalmente diante do euro, tornou as cidades norte-americanas relativamente mais baratas. Nova York, que no ano passado era a 7ª mais cara, passou para o 13º lugar, mas continua sendo a cidade mais cara dos Estados Unidos. Em seguida, estão Chicago (16ª), Los Angeles e São Francisco (ambas na 19ª posição). Segundo a EIU, há dois fatores básicos que causam mudanças no ranking do custo de vida: flutuações cambiais e movimentos nos preços. Se, por exemplo, a moeda local se fortalece ou a inflação eleva os preços, o custo de vida relativo naquele país também aumentará.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.