Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

''''São Paulo está virando um grande Paraguai''''

Chefe da Receita diz que Estado é hoje o centro de distribuição de produtos ilegais que entram no País

Adriana Fernandes, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2031 | 00h00

O chefe da Divisão de Repressão ao Contrabando e Pirataria da Receita Federal, Mauro de Brito, alertou ontem para a invasão de produtos contrabandeados através do Estado de São Paulo. ''''São Paulo está virando um grande Paraguai'''', advertiu Brito, durante audiência pública na Câmara dos Deputados sobre contrabando e subfaturamento de importações, o chamado ''''importabando''''.Esse é o movimento pelo qual mercadorias entram no País pela via legal (portos e aeroportos), mas com preços subfaturados, faturas falsas ou classificação irregular do produto. Segundo Brito, São Paulo é hoje o grande centro distribuidor de produtos que entram ilegalmente no Brasil ou são falsificados no território nacional. ''''Ouve-se gente dizendo para não ir ao Paraguai porque é mais seguro ir a São Paulo'''', afirmou.O representante da Receita defendeu a criação de um fundo nacional contra o contrabando para facilitar as ações de repressão. Seria semelhante ao Fundo Nacional Antidrogas. Segundo Brito, o fundo daria mais liberdade à Receita Federal e a outros órgãos de governo para atuar nas operações de repressão ao contrabando. Hoje, disse ele, há dificuldades até em relação a despesas de custeio, como abastecimento de automóveis e barcos usados nas operações.''''A continuidade de um projeto (de repressão) fica hoje sujeita à liberação de verbas. Combate ao crime não pode ter verba contingenciada'''', afirmou Brito. Uma das propostas é que parte do dinheiro do fundo seja oriundo de leilões dos produtos apreendidos.Na audiência, organizada pelas Comissões de Segurança, Desenvolvimento Econômico e Finanças e Tributação, os representantes dos setores mais afetados pelo contrabando e falsificação e importação subfaturada, como o de vestuário, têxtil e calçados, defenderam mudanças na legislação, com a criação da exigência de que os produtos importados ingressem no País já etiquetados.Na avaliação dos empresários, a legislação atual, que permite a colocação da etiqueta depois que o produto já entrou no País, facilita as atividades ilegais. ''''A etiquetagem é um problema sério. Isso tem que acabar porque dificulta o trabalho da Receita e da Polícia Federal'''', disse Marco Kirsch, diretor de Relações Institucionais da Associação Comercial e Industrial de Novo Hamburgo (RS), pólo de fabricação de calçados.Kirsch criticou a medida provisória dos sacoleiros, que criou um regime especial de importação para produtos oriundos do Paraguai, o Regime Tributário Único (RTU). Para ele, a aprovação da MP significará dificuldades para o Brasil conseguir a renovação do Sistema Geral de Preferências (SGP) pelos Estados Unidos. O SGP é um benefício de redução tarifária para países em desenvolvimento.''''O SGP abarca 15% das exportações brasileiras para os Estados Unidos. A chance de sofrermos um abalo é bastante grande'''', alertou. Para maior controle do ''''importabando'''', o diretor-superintendente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Fernando Pimentel, defendeu a concentração de portos específicos para o desembaraço de produtos têxteis, como já ocorre na Argentina.De acordo com a Abit, o setor perdeu 17,7 mil empregos, em 2006, por causa da concorrência desleal com importações ilegais, sobretudo da Ásia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.