São Paulo pede ajuda dos EUA para combater bioterrorismo

O governo paulista pediu hoje ao secretário executivo de Comércio dos Estados Unidos para Assuntos Tecnológicos, Phillip J. Bond, colaboração dos EUA no processo de certificação da agropecuária brasileira. O setor tem seis meses para se adequar aos novos padrões que serão exigidos aos produtos importados pelos Estados Unidos. Em 13 de dezembro, entra em vigor a nova legislação norte-americana contra o bioterrorismo, o que pode significar mais uma barreira às exportações brasileiras àquele país."A compatibilização das regras de certificação e rastreabilidade, por exemplo, é um grande desafio para os institutos de tecnologia de São Paulo e do Brasil", afirmou o secretário de Ciência, Tecnologia, Desenvolvimento Econômico e Turismo, José Carlos de Souza Meirelles. São Paulo tem 19 institutos de pesquisas que trabalham na certificação de produtos para exportação.Para Bond, as novas normas contra o bioterrorismo foram elaboradas com base na preocupação dos EUA com a população e não devem afetar as importações de produtos do agronegócio. Ele informou que os EUA estão de portas abertas para receber cientistas interessados em trabalhar na adequação das certificações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.